Autosserviço: entenda tudo sobre a nova revolução do varejo 1 23621

imagem pessoa tocando a tela de um computador

A ausência de intermediários está gerando muito mais autonomia e agilidade ao processo de compra, já que a necessidade de contratar um atendente é descartada. Além disso, os custos com armazenamento são reduzidos, gerando vantagem tanto para o estabelecimento quanto para o cliente.

Estamos nos referindo ao autosserviço, uma das maiores tendências no varejo da atualidade. Nesse modelo de comércio, características de varejo e atacado são reunidas em um único negócio, em especial as vantagens de cada alternativa: vendas no formato de varejo, mas com preço de atacado. Por isso, também é conhecido como atacarejo.

Quer saber mais sobre como funciona o autosserviço, a revolução no varejo? Então acompanhe a leitura deste material para conferir mais detalhes sobre o tema!

1. O que é autosserviço?

A característica mais marcante deste modelo de negócios é o fato de que o cliente realiza todo o processo de compras sozinho, inclusive o pagamento pelos produtos.

O formato não é novo, mas com as mudanças no comportamento de consumo das pessoas, ele tem sido remodelado para os moldes da era digital e isso tem aberto um mar de possibilidades para o setor varejista.

Desde seu surgimento, por volta do 1912, os estabelecimentos passaram a funcionar com preços pré-determinados de modo que os consumidores deveriam percorrer pelo ambiente para escolher os produtos.

E foi desse modelo de comércio varejista que aspectos como a necessidade da embalagem, identidade visual, merchandising no PDV e outras questões foram se derivando.

Com o decorrer dos anos, o formato substituiu o, ainda utilizado no Brasil, varejo de balcão, que tem custos muitos mais elevados em virtude de toda a logística necessária para personalizar o atendimento.

Sendo assim, outra característica marcante no autosserviço é a ausência de funcionários para intermediar o processo de compra, principalmente quando sua intervenção é desnecessária. O modelo foi se adequando para lojas de porte maior ou com mais variedades de produtos.

Depois do período da Grande Depressão, por volta dos anos 1930, o formato foi se popularizando por causa da grande pressão para reduzir custos e melhorar a eficiência no varejo.

2. Quais são as vantagens?

Para que você tenha uma noção mais abrangente do assunto, mostraremos os benefícios que o autosserviço pode proporcionar tanto para o cliente quanto para o lojista.

Para a empresa

Aumenta a produtividade da equipe

Os consumidores que decidem utilizar o autosserviço não precisam pegar a fila de espera. O que significa, que todo o setor de atendimento não é sobrecarregado, trabalhando com muito mais “folga” e, por consequência, a equipe de colaboradores pode focar em casos mais importantes ou em clientes que realmente precisem de uma atenção especial.

Reduz os custos operacionais

Levando em consideração o fato de que uma grande parcela dos clientes têm familiaridade com tecnologias de autoatendimento e preferem conduzir o processo de compra por conta própria, o ponto de venda terá uma redução exponencial no número de funcionários destinados ao atendimento.

A fila de espera diminui, o que está diretamente ligado ao aumento da satisfação dos clientes e à melhoria na experiência proporcionada pelo estabelecimento. Além disso, os custos ainda são reduzidos, o que faz com que a margem de lucro da loja cresça.

Reduz as chances de erros

Não é por coincidência que a tecnologia tem feito cada vez mais parte do cotidiano das empresas. Afinal, um sistema automatizado tem incalculavelmente menos chances de cometer erros do que uma pessoa, concorda?

Isso quer dizer que quanto menos humanos envolvidos no processo de compra, ao remover o fator de intermediação do processo, menores as probabilidades de que ocorra algum problema.

Assim como a Internet das Coisas parecia um conceito complexo, mas que é cada vez mais comum na vida das pessoas, os sistemas de autoatendimento são bastante intuitivos e só oferecem as opções necessárias para que o cliente registre o produto que deseja levar e a forma de pagamento que pretender escolher.

Para o consumidor

Reduz o tempo do processo

Quantas vezes você já desistiu de ir ao supermercado, deixando para uma ocasião de maior necessidade, quando se lembrou que teria que encarar filas enormes?

Pois bem, para que você tenha uma ideia, as filas são consideradas um dos desafios do varejo (falaremos mais sobre isso adiante neste conteúdo) e uma das vantagens do autosserviço é justamente minimizar ou até mesmo eliminar essa questão, reduzindo o tempo de uma das etapas de compra que, muitas vezes, representa a maior parcela de todo o processo.

Melhora a experiência de consumo

Não é preciso ser um especialista em marketing para saber que a experiência de compra é um dos aspectos mais importantes em todo o contexto de comunicação e relacionamento entre uma marca e seu público-alvo.

Todos os esforços e investimentos realizados para tornar o PDV um ambiente mais confortável e acolhedor para o cliente têm um objetivo em comum: proporcionar um momento memorável para o consumidor, de modo que ele crie vínculos e se fidelize à empresa.

Isso envolve diversas características do estabelecimento, que incluem desde os elementos de comunicação visual, como as cores da loja, disposição de produtos e iluminação, até a forma como a equipe se comunica com o público e a presença que a marca tem no mercado.

Implementar o autosserviço no varejo é mostrar que a organização tem perspectiva de inovação e se preocupa com o bem-estar de seus clientes, oferecendo-lhes uma opção de agilizar o processo de compra e torná-lo muito mais agradável do que como ocorre no modelo tradicional de varejo de balcão.

3. Como o autosserviço tem funcionado em outros segmentos?

Embora a parte mais problemática esteja na etapa de pré-venda, já que muitos clientes ainda não estão familiarizados com esse tipo de serviço, a aplicação do modelo é muito bem-sucedida em outros segmentos.

Entre os serviços que são delegados aos próprios consumidores, ainda que de formas variadas de autosserviço, podemos citar:

  • montar o próprio sanduíche: a iniciativa se tornou conhecida por meio da rede Subway, mas muitas outras empresas têm aderido;
  • abastecer o carro: a medida funciona muito bem há décadas em países da Europa e nos EUA;
  • fazer check-in em hotéis e aeroportos: aplicativos e serviços para comprar passagens aéreas ou fazer reservas são cada vez mais comuns;
  • comprar ingresso para o cinema: o mesmo se aplica a shows, teatro e outros eventos culturais;
  • realizar transações bancárias: o internet banking eliminou diversas barreiras e problemas burocráticos que a intermediação causava no processo;
  • pesquisar a procedência de um produto em uma loja: hoje, qualquer consumidor com um smartphone e acesso à internet pode consultar a opinião de outros clientes e basear sua decisão de compra com informações que ele mesmo pesquisou.

4. Como ele interfere no comportamento do consumidor?

Como você já deve ter notado, no modelo de autosserviço, em vez de simplesmente entrar em contato com algum funcionário do estabelecimento, o cliente pode resolver seu problema sozinho e isso torna o processo muito mais rápido, fazendo com que todos os envolvidos saiam ganhando.

Nesse sentido, podemos afirmar o autosserviço se inspira em uma das características que mais atraem os usuários no âmbito digital: a autonomia para solucionar os próprios problemas.

Em um e-commerce, por exemplo, há sempre a seção de perguntas frequentes. Nela, o usuário pode esclarecer suas dúvidas sozinho ou escolher fazer contato por um dos canais de atendimento disponíveis.

A tendência é que o consumidor sinta confiança no estabelecimento, sabendo que a marca não está tentando interferir em seu poder de decisão de compra, já que é natural que as pessoas se fechem quando sentem que estão prestes a cair no “papo de vendedor”.

Embora muitas empresas varejistas não sigam mais esse modelo obsoleto no qual os profissionais de vendas são obrigados a atuarem de maneira invasiva com os consumidores, empurrando qualquer produto apenas para concluir a venda, esse é um estigma que o varejo ainda carregará por alguns anos.

Dito isso, uma das vantagens do auto-varejo é que ele quebra essa barreira de desconfiança por parte do consumidor, dando-lhe o poder de conduzir o processo de compras em seu ritmo e da forma como ele deseja.

Isso ajuda a aumentar o índice de satisfação dos clientes e, por consequência, aumenta a taxa de fidelização de consumidores à sua marca.

5. Como aplicar o autosserviço no PDV?

Um dos primeiros passos para implementar o autosserviço de maneira eficiente no ponto de venda é começar pela organização das mercadorias, já que estratégias de merchandising no PDV, como a exposição correta dos produtos, é um dos aspectos que influenciam no poder de decisão de compra do shopper.

Outro ponto importante a ser considerado é a disposição dos produtos. Uma área de venda bem organizada e devidamente sinalizada, dá ao consumidor as informações necessárias, que servirão como suporte e tornarão a experiência de compra muito mais positiva.

A sensação de autonomia e liberdade, por sua vez, empoderam o cliente, fazendo com que ele se sinta dono de suas próprias decisões de compra e não um alvo de uma estratégia de marketing invasiva.

Contudo, para que isso funcione na prática, é preciso que o PDV seja ajustado para atender às expectativas do consumidor, de forma que qualquer seja a escolha de produtos ou perfil de consumo, tanto suas experiências com o estabelecimento quanto com o autosserviço sejam positivas.

Com isso, o que queremos dizer é que não basta espalhar caixas de autoatendimento pela loja e deixar que seus clientes se virem sozinhos.

Uma estratégia de implementação de autosserviço bem estruturada requer materiais de comunicação com informações úteis para o cliente, seja na divulgação dos produtos, seja no manuseio do equipamento pelo qual o autosserviço será realizado, como:

  • folders;
  • cartazes;
  • cross-merchandising;
  • sugestões de compra agregadas.

E até mesmo alguns funcionários para auxiliarem os consumidores que se depararem com dificuldades para operar os caixas de autoatendimento.

6. Quais são os desafios?

Agora que tem uma noção mais ampla sobre o que é autosserviço e como deve funcionar essa alternativa inovadora, mostraremos quais são os principais motivos pelos quais esse formato de comercialização ainda tem dificuldades para ser implementado em nosso país.

Falta de investimentos

A implementação do autosserviço ainda se depara com um problema em nosso país: a falta de investimento no setor de atendimento por parte das empresas varejistas.

Para que você tenha uma ideia, em 2015, somando o prejuízo de diversas marcas, o varejo brasileiro perdeu cerca de US$ 217 bilhões, devido a consumidores que migraram para a concorrência, alegando terem tido uma experiência de compra negativa com a marca inicial.

Considerando que a finalidade do autosserviço seja eliminar as etapas intermediárias e empoderar o cliente, dando-lhe autonomia, não investir os recursos necessários para que esse modelo de negócios funcione adequadamente é perder tempo e dinheiro da empresa, além de afetar sua credibilidade no mercado diante do consumidor.

Dificuldade para lidar com a alta demanda

Outro desafio para o sucesso da implementação desse modelo no Brasil é a dificuldade para lidar com a alta demanda do mercado.

O fato é que o consumidor brasileiro foi acostumado a ser dependente de intermediadores em seu processo de compra, mas ao mesmo tempo ele está mal acostumado com o imediatismo que a era digital tem proporcionado.

Ainda que seja para resolver questões simples e rápidas, o cliente moderno quer ser atendido rapidamente, mas com todo o suporte que o varejo comum pode proporcionar.

Ou seja, ele quer um atendimento rápido e com suporte. O grande problema disso tudo é que a maioria dos varejistas não está preparado para lidar com esse tipo de exigência, em especial aqueles que não investem o suficiente para tornar o seu atendimento impecável.

O resultado acaba sendo o efeito contrário: alta demanda e pouco suporte, tornando o tempo de espera dos clientes muito maior e, é claro, o modelo de autosserviço insustentável.

Processos mal definidos

A tendência natural é que com o decorrer do tempo o consumidor aprenda a lidar com caixas de autoatendimento e possa usufruir da experiência de poder agilizar o seu processo de compras, assim como o serviço funciona em países da Europa e nos EUA.

Se pararmos para analisar, não é muito diferente de como foi com a evolução dos celulares para smartphones no Brasil. A princípio, não parecia que aqueles pequenos computadores de bolso iriam cair no gosto popular, justamente por parecerem dispositivos complicados para a compreensão do grande público, mas em poucos anos, temos mais de um smartphone ativo por habitante.

O que queremos dizer é que, apesar de desafios como a má definição dos processos, ainda é muito cedo para afirmarmos que o inovador modelo de compras autônomo, eficiente e econômico não prosperará.

Filas e falta de conhecimento pelo consumidor

Se as organizações modernas hoje estão em busca de criar experiências de consumo positivas a partir do PDV, facilitando o processo de escolha das mercadorias, o mesmo não pode ser dito sobre as filas. Isso porque faz-se necessário a implementação de sistemas que se relacionem com demandas, que, por sua vez, crescem de forma mais intensa e menos paciente.

Pense no exemplo dos caixas eletrônicos de instituições bancárias. A intenção era criar uma solução para reduzir o tempo de espera, em especial daqueles que não queriam ter de entrar no banco e pegar fila, mas sabemos que a realidade é bem diferente. Infelizmente, ela não se difere muito quando falamos em autosserviço. O que muda é a finalidade do serviço, mas funciona de maneira semelhante.

Nesse aspecto, há dois problemas distintos que atrapalham a implementação do autosserviço no varejo, mas que estão conectados. De um lado, temos a grande demanda que naturalmente faz com que as filas se formem, o que é algo que esse modelo de negócios visa resolver.

Mas de outro, temos uma grande parte da população ativamente consumidora que ainda é muito dependente dos moldes tradicionais de varejo e encontram grandes empecilhos quando estão diante do monitor de um caixa de algum tipo de autosserviço.

Vemos um certo anseio do consumidor em se incluir digitalmente, mas um grande abismo de exclusão e falta de acesso a informação que o separa dessa realidade que o varejo está construindo juntamente com a tecnologia.

7.  Quais cuidados as empresas devem ter para implementar o autosserviço?

Mostramos diversos benefícios que o modelo de comercialização baseado em autonomia tem a oferecer, além de alguns dos desafios que o autosserviço ainda deve enfrentar no Brasil até que sua implementação seja efetiva no varejo.

Por isso, antes de concluirmos, é importante que você confira alguns cuidados que a loja deve ter ao aderir a essa formato de negócios. Afinal, o autosserviço deve funcionar como uma relação de troca, na qual os clientes e o estabelecimento saem ganhando, não é verdade?

Forneça informações detalhadas ao cliente

Um grande erro a ser cometido ao implementar soluções de autosserviço em seu comércio é não fornecer os dados dos produtos ou serviços de forma detalhada aos compradores.

Por mais que haja pessoal da equipe para sanar as dúvidas, essa não é a finalidade do autoatendimento, concorda?

Não permita que o atendimento perca o lado “humano”

É importante não confundir otimização com robotização. O autosserviço, quando não bem administrado, pode fazer com que o estabelecimento otimize tanto a experiência de compra que a marca, aos poucos, perca o contato humano com seus clientes.

Sendo assim, é imprescindível que, mesmo com o sucesso da implementação da tecnologia no PDV, a empresa mantenha funcionários para lidar com os consumidores que preferem falar com pessoas.

Entenda e eduque seus clientes

Por mais que o consumidor 4.0 tenha intimidade com a tecnologia, é preciso lembrar que ainda existem muitos clientes que podem rejeitar a novidade. Dependendo da região na qual a loja se localiza, essa parcela de consumidores pode ser bastante expressiva.

Portanto, a primeira dica é conhecer bem o seu público-alvo, entender quais são seus problemas, como a loja pode suprir suas necessidades e, é claro, suas limitações para lidar com a tecnologia como uma solucionadora.

Se você decidir investir em soluções de autosserviço, faça isso aos poucos. Ao invés de substituir todos os caixas de uma vez, disponibilize apenas algumas máquinas e mantenha funcionários por perto. Lembrando que também podem ser realizadas companhas e ações para preparar os clientes.

Integre os diversos meios de pagamentos

Não basta ter totens de autosserviço. É importante oferecer variadas alternativas de pagamentos aos seus clientes, como débito, mobile, crédito e DDA, integrando-as no sistema de vendas para que a experiência como um todo seja o mais positiva possível.

Utilize um sistema amigável

Assim como a identidade visual tem o poder de mudar a perspectiva do cliente, a ponto de influenciar suas decisões de compra, não é diferente com a interface do sistema de autosserviço.

Se a aparência for complicada ou, ainda pior, não transmitir segurança ao comprador, com informações confusas e mal disponibilizadas, dificilmente alguém optará por essa alternativa. Afinal, as pessoas precisam se deparar com uma solução intuitiva e não mais um problema para lidar no ponto de venda.

Fique atento à comunicação no PDV

Toda a estratégia de merchandising e comunicação no PDV deve ser construída de forma alinhada. Ou seja, cartazes com informações erradas podem colocar toda a implementação do autosserviço em jogo.

Coloque-se no lugar do cliente que já tem desconfiança e uma certa resistência a essa novidade. Se ele se deparar com surpresas ao passar o produto no leitor e perceber que há diferenças entre o preço anunciado e o do sistema, por exemplo, dificilmente sua opinião negativa que sobre o assunto será alterada;

Como você pôde conferir neste conteúdo, o autosserviço não é simplesmente uma tendência para o varejo, mas sim uma realidade iminente por conta das mudanças que o consumidor tem passado, que são cada vez mais frequentes por conta da evolução tecnológica e a popularização da internet.

A nova geração de consumidores gosta de ter contato com a tecnologia e poder sobre as suas próprias escolhas de consumo. Sendo assim, considerar o autosserviço não é como olhar para um futuro distante, mas sim para algo que está muito próximo de fazer parte do presente.

Ainda existe alguma questão que você não entendeu sobre como o autosserviço representa uma verdadeira revolução no varejo? Quer descobrir como a gente pode ajudar? Então entre em contato para saber mais!

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba no seu email todas as novidades do nosso blog sobre tecnologia e varejo, além de ficar por dentro do novos projetos Alice Wonders.

Thank you for subscribing.

Something went wrong.

Previous ArticleNext Article

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Como criar experiências perfeitas? Inspire-se com a loja da Apple! 0 321

Vender é apenas o fim de uma jornada repleta de etapas. Para chegar lá, é necessário oferecer um ciclo de interações satisfatórias que vão compor o que chamamos de experiência de consumo. Quanto mais qualificada a sua, maiores as chances de gerar engajamento e relevância para sua marca, chegando até às vendas como resultado natural.

Para construir essa ideia completa de relação com o consumidor, é fundamental considerar alguns pontos essenciais, contemplados pelo conceito de Matriz de Experiência. Esses pilares capacitam marcas a envolver pessoas por meio de elementos diversos que vão criar a melhor percepção possível sobre a empresa.

Mas como construir isso da maneira certa? Explicamos ao longo deste post, que tratará sobre experiência de consumo, o que é esse conceito e como aplicá-lo com a ajuda da matriz. Acompanhe!

Qual é o poder da experiência de consumo para as marcas?

Bom preço, produto de qualidade e valor agregado. Esses são, certamente, os valores que mais saltavam aos olhos de um consumidor na hora de escolher uma empresa ao longo dos últimos anos. Ainda que sejam detalhes essenciais, não ocupam mais as primeiras posições na lista de prioridades do público.

Talvez para uma parcela dos consumidores ainda seja fundamental um produto ter o preço baixo, mas certamente, essa característica divide importância com outras. Afinal, do que adianta comprar um item que custa pouco, mas ser mal atendido na loja da marca? São questões inegociáveis para quem é cliente e deseja ter uma boa relação com marcas.

Esses detalhes que vão além das questões mais básicas são itens inegociáveis na hora de compor uma experiência de consumo perfeita. Nesse sentido, fica claro que as marcas precisam pensar em todas as etapas, desde as ações de marketing que vão atrair pessoas até o pós-venda.

A experiência de consumo ideal é aquela que gera no consumidor o sentimento de que tudo funciona muito bem, que a marca é atrativa e de que algo o faz querer comprar. Pode ser que essa pessoa nem mesmo saiba o que gera nela o desejo de consumo, mas no seu subconsciente há a certeza de que aquela marca é a escolha certa.

O que gera essa sensação nada mais é do que a experiência de consumo. Quando feito da maneira certa, esse conjunto de técnicas envolve mais facilmente, engaja o consumidor, gera vendas e fideliza.

O que é a matriz de experiência?

Para que haja esse envolvimento completo do cliente e que essa pessoa se sinta pronta não só para consumir, mas também para comprar de maneira fiel e recorrente, é necessário investir em alguns pilares. Essas bases conceituais, quando são aplicadas em conjunto, resultam na matriz de experiência.

O conceito alia quatro estruturas fundamentais que devem ser colocadas em prática ao pensar em experiência de consumo:

  • Entretenimento;
  • Educação;
  • Estética;
  • Escapismo.

A proposta é que, na execução da estratégia de experiência, esses pilares possam convergir, mas não necessariamente de maneira simultânea. O desequilíbrio, pensado para conduzir o consumidor da maneira mais adequada em cada etapa da jornada do cliente, é o que vai entregar exatamente o que cada pessoa espera.

Esse conceito pode ser melhor compreendido por meio da representação gráfica dessa matriz:

Como você pode ver, as etapas de entretenimento e de educação são voltadas para a absorção da ideia de produtos, conceito dos serviços e como o que é vendido soluciona problemas. Já os pilares de estética e escapismo são projetados para imersão do consumidor na ideia de marca, algo constantemente feito em espaços físicos de varejo.

Como funcionam os pilares da matriz de experiência?

Cada um desses pilares têm uma função bastante específica na hora de envolver o consumidor dentro da experiência de consumo. Entenda melhor esses papéis e como são concretizados em ações e ideias.

Entretenimento

O entretenimento consiste em captar a atenção do consumidor que está no varejo e fazer com que essa pessoa consiga ser imersa na ideia de marca e produto de maneira lúdica. A interação é também muito importante para gerar um momento mais leve e que vai permitir que o consumidor consiga ter a percepção pretendida sobre a marca

Educação

Todo consumidor precisa ser educado para que possa conhecer mais sobre o produto que a marca oferece. Nos espaços de varejo, educar pode ser feito das mais diferentes formas. Isso vai desde painéis interativos em que o cliente aprende de maneira autônoma até a o atendimento tradicional feito por um vendedor bem preparado

Estética

Uma boa identidade visual, uma decoração sofisticada e um ambiente que tem uma estética alinhada à identidade de marca criam uma percepção aprofundada sobre a empresa. É fundamental que as lojas sejam preparadas para gerar essa imersão.

Escapismo

A ideia de escapismo no varejo consiste na capacidade de ambientes em gerarem um deslocamento da realidade. Na prática, são locais que proporcionam uma imersão mais qualificada, ou até mesmo que sejam únicos e inovadores. Esses locais são marcantes e despertam a percepção de modernismo e sofisticação no consumidor.

O que a Apple pode nos ensinar sobre experiência de consumo?

Um dos maiores cases de sucesso do mundo, sem dúvidas, é a Apple, com suas flagships, as lojas conceitos. Espalhadas pelo mundo todo, uma delas é considerada a grande referência da marca, a da Quinta Avenida, em Nova York. Por lá, os quatro pilares da matriz de experiência podem ser não só observados, como vivenciados.

Começando pelo entretenimento, na programação da loja está a atividade Today at Apple, um fórum diário e gratuito que traz debates, apresentações e palestras sobre variados temas dos mais diversos universos.

Imagem: Apple

No pilar educação, a loja da Quinta Avenida se destaca pelo seu staff altamente capacitado, extenso e plural, com pessoas de mais de 30 idiomas distintos. Há ainda dois tipos de equipes de especialistas para ajudar sobre produtos, funcionalidades e gadgets da empresa: Geniuses e Creative Pros.

Imagem: Apple

A estética aplicada na loja traz muito da ideia de design da Apple: simples, funcional e bonito. Isso se reflete em um espaço amplo, totalmente sofisticado e com diversos ambientes com a cara da marca.

Imagem: Apple

Por fim, a ideia de escapismo é aplicada com um dos maiores atrativos da unidade Apple da Quinta Avenida: o cubo luminoso. A construção inovadora pode ser visitada pelos clientes da loja e explorada em uma experiência de imersão total que foi reformado completamente em 2019.

Imagem: Apple

Com uma compreensão perfeita da matriz de experiência, a Apple da Quinta Avenida mostra como é possível convergir os pilares com perfeição.

Criar experiências perfeitas é um desafio para lojas que querem ter muito mais do que um bom produto. Fidelizar e ser referência precisa ser um objetivo de quem deseja liderar o mercado. Para isso, contemplar os pilares da matriz, assim como a Apple faz, é fundamental.

A Alice Wonders pode ajudar a sua marca a proporcionar experiências perfeitas para seu consumidor com Tecnologia, Inovação e Dados. Conheça nossos cases, inspire-se e saiba mais!

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba no seu email todas as novidades do nosso blog sobre tecnologia e varejo, além de ficar por dentro do novos projetos Alice Wonders.

Thank you for subscribing.

Something went wrong.

Metaverso: o que é e como ele impacta o futuro do varejo? 0 203

Novas tecnologias e possibilidades do universo digital surgem em tamanho volume que deixam muitos de nós confusos. Um dos principais entre os últimos tópicos da categoria se chama Metaverso. O que para muitas pessoas é algo difícil de tangibilizar, para outras, especialmente empresas, é uma oportunidade incrível de vender produtos e serviços.

Não há, atualmente, ambiente digital em que não seja possível posicionar uma empresa estrategicamente, nem que seja para gerar consciência de marca e criar relacionamento com o público. Com o metaverso, é possível fazer isso e também vender produtos. Tudo depende de como o negócio consegue explorar as possibilidades oferecidas.

Conhecer mais sobre o metaverso, o que de fato é e quais tecnologias sustentam esse espectro é fundamental. Esses e outros pontos você conhece ao longo deste post. Acompanhe!

O que é o metaverso?

Metaverso é um conceito tecnológico que trata sobre uma realidade paralela que acontece totalmente em ambiente digital. Nesse universo não concreto, mas acessível por meios como a internet e games, é possível se conectar e se fazer presente como pessoa, empresa, marca e até mesmo como personagem.

A ideia de metaverso não é exatamente algo novo. Universos paralelos sempre existiram em games, nos quais sempre foi possível a imersão e a interação enquanto jogador, por meio de um personagem, por exemplo. Essa concepção também esteve presente em filmes de ficção científica por diversas vezes na história do cinema.

A grande diferença é que, atualmente, temos cada vez mais possibilidades de estarmos dentro desses universos paralelos, isso graças à transformação digital. Essa facilidade de conexão, aliada ao desenvolvimento de ambientes de maneira avançada, fez com que oportunidades de mercado pudessem ser detectadas.

Enquanto para alguns o metaverso segue sendo apenas um ambiente de lazer e diversão, para muitas empresas é uma oportunidade de posicionamento e lucro. Talvez esse tenha sido o fator principal para impulsionar essa tendência e torná-la algo ainda mais relevante.

As tecnologias

Como um grande universo digital paralelo, o metaverso só é possibilitado graças às tecnologias que o fazem existir e também às que permitem que nós, usuários, possamos interagir e imergir nesses ambientes.

Entre essas tecnologias pilares para os universos digitais estão:

  • realidade aumentada;
  • realidade mixada;
  • blockchain;
  • reconhecimento facial;
  • inteligência artificial;
  • NFT;
  • smart contracts;
  • criptoativos.

Como o metaverso aparece no cotidiano?

Um dos pontos que mais merecem destaque quando tratamos sobre metaverso é a convergência entre vida real e universo digital. Hoje, muito do que somos em nossas vidas pode ser replicado, com as devidas limitações, em ambientes paralelos e remotos. E é assim que o metaverso tem estado mais presente no cotidiano da sociedade.

Na pesquisa Into the Metaverse, desenvolvida pela Wunderman Thompson, alguns dados chamam atenção e mostram como estamos cada vez mais dependentes da tecnologia como recurso para realizarmos tarefas e atividades. Por exemplo, o estudo apontou que 93% das pessoas entrevistadas afirmam que a tecnologia é essencial ao nosso futuro.

Diante disso, você consegue ver seu cotidiano acontecendo naturalmente sem ajuda da tecnologia? De acordo com a pesquisa, 76% das pessoas enxergam recursos e ferramentas como essenciais para o dia a dia.

Sabendo dessa relação que a sociedade tem com a tecnologia, as empresas já têm introduzido o metaverso na vida das pessoas de maneira natural. Bons exemplos são:

  • ações de marketing feitas para games (por exemplo, grandes marcas de material esportivo têm presença forte em jogos de futebol, como o Fifa, mais famoso entre eles);
  • NFTs (muitas marcas já têm comercializado artigos colecionáveis em formato de NFT);
  • criptomoedas já são aceitas por uma série de e-commerces;
  • empresas têm criado salas de reuniões e espaços virtuais para que funcionários possam criar seus avatares e interagirem nesses ambientes, aproximando pessoas mesmo em modelos de trabalho remotos;
  • o uso de óculos de realidade virtual para proporcionar experiências multissensoriais na hora de apresentar projetos de imóveis, test-drive de carros, entre outras possibilidades.

Marcas não têm investido nessa maior ocupação do digital, incluindo o metaverso, à toa. A pesquisa da Wunderman Thompson apontou também que 81% das pessoas ouvidas acreditam que a presença nesses ambientes é tão importante quanto em espaços físicos, como lojas.

Quais são os possíveis produtos desse universo?

O metaverso como possibilidade estratégica para marcas ainda é algo em expansão. As marcas ainda vão testar possibilidades, lançar produtos que vão dar certo e também vão errar em algumas oportunidades. Portanto, ainda há muito a ser explorado ao longo dos próximos anos.

Hoje, já há alguns produtos e oportunidades de negócio que ganharam mais atenção e trouxeram respostas rápidas para as empresas. Falamos mais sobre os principais na sequência.

Propriedade de itens digitais (digital ownership)

Ser proprietário de algo único, colecionável e transferível apenas em relações comerciais é algo que tem dado muito certo quando falamos de metaverso. Essa ideia de valor deu origem a produtos como criptomoedas, NFTs e acessórios e skins (muitas vezes de grifes famosas) para serem usados em games e em ambientes de metaverso.

Lazer e bem-estar (connected wellbeing)

A medicina também já utiliza o metaverso como ferramenta de tratamentos terapêuticos. Com ajuda de jogos orientados para essa finalidade, a categoria connected wellbeing propõe atividades para pessoas que tratam stress, problemas com o sono e questões gerais de saúde mental.

Relações e interações digitais (digital relationship)

As relações digitais vêm já há bastante tempo por meio das redes sociais e, principalmente, pelos games. São recursos que trazem interação e aproximação entre pessoas.

Meta Business

Esta é uma categoria mais abrangente que trata de atividades de marcas que trabalham para capitalizar ações dentro do metaverso. A ideia é criar itens e experiências que gerem brand awareness e consumo concreto. Isso acontece por meio de possibilidades como:

  • anúncios em jogos;
  • experiências de realidade aumentada no varejo;
  • venda de produtos digitais.

O metaverso está muito mais presente em nossa realidade do que podemos imaginar. A tendência é que, gradativamente, suas possibilidades e recursos sejam ainda mais acessíveis e pertinentes ao dia a dia de grande parte dos usuários do digital. Por enquanto, conhecer mais sobre as possíveis ações, sobretudo para as marcas, é essencial para sair na frente dos concorrentes.

Curtiu saber mais sobre o assunto? Aproveite e saiba como você pode inovar na hora de fazer ações digitais de ativação de marca!

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba no seu email todas as novidades do nosso blog sobre tecnologia e varejo, além de ficar por dentro do novos projetos Alice Wonders.

Thank you for subscribing.

Something went wrong.

Most Popular Topics

Editor Picks

Send this to a friend