Ativação de marca: tudo o que você precisa saber para inovar 0 27674

caderno com desenho de marca

Você conhece o conceito de ativação de marca? Empresas estão a todo tempo tentando causar uma boa impressão no seu público. Por vezes, a ideia é somente aparecer para essas pessoas, relacionando marcas a momentos únicos, que geram experiências incríveis. Assim, por associação positiva, as empresas crescem na mente do consumidor.

Interações são sempre um ótimo caminho para conquistar atenção. E em vários momentos, seja na entrada de marcas no mercado, seja na busca por engajamento, essa troca com o público é essencial. Por isso, a ativação é uma estratégia utilizada há tanto tempo e, principalmente, pelas maiores marcas dos mais diferentes segmentos.

Conexões emocionais, experiências extraordinárias e a capacidade de gerar memória positiva em uma ação. A ativação de marca é isso e muito mais. Por isso, continue lendo este post para saber mais sobre o tema!

O que é a ativação de marca?

A ativação de marca é uma estratégia de marketing que visa proporcionar experiências únicas, muitas vezes interativas, com a intenção de envolver o consumidor. Essas ações são pontuais e acontecem, na maioria das vezes, de maneira presencial, como em eventos, festas, supermercados, entre outras ocasiões.

Uma boa ativação de marca vai proporcionar uma percepção positiva no consumidor. Para que essa ação seja efetiva, marcas precisam identificar o perfil de seu público e como ser efetivo dentro desse universo da sua persona. Assim, as empresas geram as experiências ideais, no momento mais adequado e com os gatilhos mais certeiros.

O conceito de ativação de marca, em si, não é difícil de compreender. É a prática que se torna um desafio para as empresas, principalmente quando são novidade no segmento.

Colocar um novo empreendimento em contato com os seus consumidores em potencial exige muita inteligência de mercado e o direcionamento de uma série de esforços. No entanto, fazer isso pode ser particularmente complicado para as marcas criadas há pouco tempo.

É que ativação, em si, é um processo que começa quando os usuários conseguem reconhecer o valor oferecido por um empreendimento e encontram um papel em sua vida para os produtos ali originados. Ou seja, é um processo de criação de experiências que determina que, a partir de uma interação em particular, o nosso relacionamento com uma empresa passa a ser mais do que o mero reconhecimento de sua existência.

O cliente que passa por uma ativação de marca bem-sucedida constrói impressões, memória e emoções relacionadas àquele dia e os carrega pela vida inteira. Essas impressões guiam a sua decisão de compra quando de frente às prateleiras e são também um ótimo lugar para começar a fidelização.

Por isso dizemos que a ativação de marca é, essencialmente, a tarefa de gerar valor — e você, como empreendedor, está ciente de que essa não é a tarefa mais fácil do mundo.

Uma das estratégias que mais nos ajudam nessa jornada é conhecer a experiência de compra e construir um marketing experiencial capaz de diferenciá-la. Por isso, dentro das disciplinas do marketing, temos uma especializada na ativação de marcas, que reúne conceitos e atividades características que nos ajudam a sermos um sucesso nessa geração de valor supracitada.

Marketing de ativação

É o braço do marketing dedicado à ativação, como o próprio nome já indica. Gira em torno de executar o mix de marketing de forma a gerar os melhores resultados possíveis para o negócio.

Marketing de ativação é a criação de experiências e interações exclusivas. Essas ações são capazes de deixar claro aos consumidores em potencial quais são os benefícios de escolher ou migrar para uma marca. E em alguns casos, mostrar exatamente o que estão perdendo ao não fazer isso.

Um marketing de ativação eficiente vai permitir que o seu negócio lucre mais e atinja os seus objetivos estratégicos porque é condicionado à obtenção de retornos. Entretanto, visto que as apostas são altas quando o assunto é marketing de ativação, é de se esperar que a disciplina tenha uma porção de desafios a serem superados.

Um deles é como o nosso mercado muda e evolui constantemente, exigindo que as marcas estejam preparadas para responder a isso e ressignificar as experiências e valores que deixam evidentes para o seu consumidor.

Na atualidade, recursos como o data-driven marketing têm tornado menos complexa a ativação de marcas. Hoje, as empresas estão baseando as ações e iniciativas de uma empresa nos dados a que ela tem acesso.

Isso permite também mensurar os resultados desses esforços com mais precisão. Portanto, o data-driven marketing tem colaborado para ativações bem-sucedidas porque permite que entendamos exatamente o que estamos fazendo durante o processo.

Entender o que é marketing de ativação, todavia, também passa por entender o que ele não é: iniciativas tradicionais de comunicação e a oferta de um bom serviço ao cliente. Isso porque esse campo dá destaque para as experiências que uma marca pode proporcionar ao seu mercado.

O papel da inovação na ativação de marca

Encantar o consumidor é um dos princípios fundamentais da ativação de marketing e essa característica é o suficiente para diferenciá-lo de outras técnicas aplicadas pelo seu time. Hoje, temos uma série de recursos disponíveis para que a tarefa do encantamento seja menos complexa para as empresas.

A utilização de ferramentas como a realidade aumentada e os hologramas, por exemplo, são formas inteligentes de chamar a atenção do consumidor e trazê-lo para o universo da sua marca, nem que seja por alguns instantes.

O destaque deste tópico é o encantamento inicial proporcionado por tecnologias como essa. Ou seja, a forma como as marcas podem empregar determinadas ferramentas para tirar o consumidor da sua rotina e promover sua interação com um empreendimento em particular.

Há inúmeros exemplos de como a inovação pode ser utilizada na ativação de marca e, para esclarecer melhor esse ponto, vamos lhe mostrar alguns cases de sucesso encontrados ao redor do mundo.

Lipton Iced Tea

A Lipton foi uma das primeiras marcas a inovar no marketing de ativação e por isso merece destaque aqui.

Com um escorregador de mais de 100 metros instalado na cidade de Londres, a marca convidou os transeuntes a utilizar uma maneira diferente para se transportar para os seus trabalhos e atividades de lazer. O inflável, instalado durante o verão, encorajava as pessoas a parar suas rotinas para se divertir um pouco — e foi um sucesso!

Colorido com o amarelo da marca e instalado ao lado de uma das mais famosas estações de metrô do mundo, a King’s Cross, ele permitia que a marca se beneficiasse do intenso tráfego de pessoas para atrair a atenção de novos consumidores. E, como o chá é uma tradição para os britânicos, a oferta da bebida se tornava ainda mais atraente para aplacar o calor típico da época.

Esse é um exemplo de como inovar não é algo que exige, necessariamente, o uso de novas tecnologias. Uma boa ideia pode ser tão vantajosa para o seu marketing de ativação quanto o mais moderno dos sensores de Internet das Coisas.

Beam Suntory

Mas já que o assunto é a inovação, não podemos ignorar como recursos específicos disponíveis na atualidade podem transformar a relação de consumidores com produtos tradicionais. E essa foi a aposta da Beam Suntory, uma marca de bourbon comumente encontrada em lojas duty free nos aeroportos.

Para a ativação que citamos aqui, o aeroporto de Frankfurt foi o escolhido e a Beam Suntory criou uma estação em que era possível experimentar seus produtos e explorar todos os sentidos.

Um filme sobre a marca era transmitido e pipoca foi distribuída gratuitamente para cativar quem passava por ali. A experiência, todavia, ficava completa quando o cliente era convidado a provar o bourbon e utilizar uma tela touchscreen para escolher o produto ideal e deixar a sua opinião.

A iniciativa tomou repercussão ainda maior por ser promovida nas mídias sociais da marca. Sozinha, gerou material o suficiente para atingir mais de dois milhões de consumidores globalmente.

IHeartRadio

A IHeartRadio queria atingir melhor os jovens e resolveu, para isso, criar uma máquina que oferecia merchandising gratuito, mas estava inteiramente conectada à internet e utilizava as informações dos usuários de redes sociais como chave para liberar os prêmios.

Com uma câmera e link direto para o Instagram, o quiosque passou por diversas universidades americanas e entregou camisetas grátis para aqueles que compartilharam mensagens interagindo com os promocionais da marca.

A campanha de ativação não foi exatamente inédita, todavia: assim como tantas outras, baseou-se no nosso vício em redes sociais para pegar uma carona e promover a marca. 

Criando uma experiência interativa difícil de se esquecer (e com fotos que poderiam facilmente lembrar os consumidores, se esse fosse o caso), a IHeartRadio gerou mais de cinco milhões de impressões online e passou a figurar entre as marcas favoritas dos jovens a partir dali.

A inovação é uma das formas mais eficientes que uma marca tem para criar experiências que se destacam. Por isso, é tão relevante para o marketing de ativação, que se baseia em experiências exclusivas para consolidar um produto ou serviço na mente dos clientes.

Para que serve a ativação de marca?

Como o trade marketing e outras inovações do comércio varejista, a ativação de marca funciona simultaneamente em várias frentes e tem como objetivo promover uma marca específica em detrimento de outras. Essa promoção serve para aumentar as vendas, consolidar uma posição no mercado ou transformá-la em sinônimo de um produto ou solução específica.

Por isso, a ativação é uma das pautas mais importantes para os negócios. Junto com outros recursos, como uma forte presença nas mídias sociais, ela serve para gerar awareness e material suficiente para que um negócio se beneficie dela por muito tempo. 

De uma boa ativação podem vir centenas de milhares de reais em propaganda gratuita, porque se trata da construção de experiências tão significativas que acabam se tornando notícias relevantes.

Você já deve ter notado, em um momento ou outro, o quanto a sua marca gasta se promovendo. Seja com anúncios pagos nas redes sociais ou com páginas de jornais e revistas, o gasto de mídia é um dos mais penosos para os departamentos de marketing.

Uma boa ativação, por outro lado, é uma oportunidade de economizar nessa área gerando mídia espontânea, quer pelo compartilhamento de uma campanha nas redes sociais ou pela movimentação extraordinária de pessoas em torno de uma atividade fora do comum.

A ativação de marca serve para consolidar, na mente do consumidor e do público, uma impressão positiva de determinado negócio. Por isso mesmo falamos em geração de valor sempre que nos referimos à ativação de marca ao longo deste artigo. Os principais resultados de uma ativação não são necessariamente vendas no local, mas sim a construção de um relacionamento duradouro com as pessoas que puderam participar dessa experiência e até com aquelas que a assistiram à distância.

Como funciona uma campanha de ativação de marca?

O marketing de varejo tem muito a se beneficiar das campanhas de ativação de marca. E é por isso que vamos lhe mostrar, nos tópicos a seguir, alguns exemplos criativos de como essa experiência imersiva pode trazer novos consumidores para a sua marca e funciona a favor da geração de valor.

Todos os cases citados aqui são de responsabilidade da Alice Wonders. O nosso objetivo, portanto, é mostrar que também no Brasil as ativações de marca dão o que falar e fazem toda a diferença nos resultados das empresas.

Assim como aconteceu com os cases citados anteriormente, todas as menções neste tópico aumentaram o ROI dos negócios e possibilitaram a aquisição de novos clientes.

Ações e exemplos de ativação de marca

Um dos nossos cases favoritos é o da Colgate. O lançamento de sua nova escova branqueadora foi um sucesso e a ativação da marca tomou conta de cerca de 80 lojas em todo o país, nas quais era possível interagir de forma única com o produto e conhecer as suas possibilidades.

Utilizando realidade virtual, a Alice Wonders construiu uma ponte para outro mundo no qual era possível entender como o produto funcionava e quais os seus benefícios. Conteúdos de entretenimento também foram integrados a esse universo virtual para amplificar os resultados da marca.

A ação chamava a atenção dos consumidores e os cativava emocionalmente, convidando-os a explorar melhor os produtos da Colgate.

Ativação de marca criativa em eventos

Dentre os cases de ativação em eventos a sala interativa da Tegra é outra predileta. Com projeção mapeada, realidade aumentada e depoimentos exclusivos de moradores, a empresa conseguiu uma experiência imersiva, na qual era dada a oportunidade aos usuários de experimentar a cidade de São Paulo e ver a evolução de seus bairros com o passar do tempo.

Toda a interação era controlada por sensores, que mediam automaticamente a reação do público ao que estava sendo exposto. Esse é um dos exemplos de como a tecnologia e uma boa ideia podem fazer toda a diferença na ativação de marca.

Como é o trabalho de uma agência de ativação de marca?

Agora que você já viu esses cases é hora de se perguntar: será que a sua marca consegue fazer uma ativação tão boa contando apenas com os funcionários que já tem? Na maioria dos casos a resposta para essa pergunta é negativa.

Mesmo em se tratando de empresas de grande porte as ativações de marca geralmente são de responsabilidade de agências especializadas, que podem dedicar tempo, recursos e expertise para gerar experiências únicas para os consumidores.

Contar com um parceiro na criação de iniciativas de ativação é uma boa ideia porque ele traz consigo anos de trabalho e uma porção de resultados para mostrar. Além disso, agências de ativação dispõem de todos os recursos necessários para medir com a máxima precisão os impactos de uma ação específica, deixando bem claro quanto valor foi gerado para o seu negócio e como.

Ao pensar em estratégias de ativação, reconheça a possibilidade de contar com um parceiro, que o ajudará a conseguir os resultados esperados e trará opções inovadoras para que a da sua marca saia tão bem quanto em seus planos.

Como é aplicado o marketing experiencial na ativação?

A ativação de marca, quando aliada ao marketing experiencial, funciona muito melhor — mas aqui é preciso frisar que ambas essas coisas não são sinônimas. Embora o marketing experiencial possa fazer parte da ativação, diz respeito a todas as atividades interativas que têm como intuito vender um produto.

É, portanto, possível fazer marketing experiencial sem fazer uma ativação de marca. Já o contrário não é verdadeiro. As ativações de marca bem-sucedidas têm todas em comum a geração de interesse, na qual um produto ou experiência é utilizado como atrativo. No geral, isso sempre resulta em marketing experiencial.

Quando utilizamos esse recurso, que é atrelado à geração de memórias e experiências positivas para o cliente, temos mais facilidade na hora de mostrar o valor de um produto e estabelecer um lugar para ele no mercado. Por isso o marketing experiencial é tão associado às ativações, ainda que ambos não signifiquem exatamente a mesma coisa.

Para entender melhor, pense nos exemplos a seguir: um test-drive é um tipo de ativação de marca, porque permite que se experimente um produto e comprove que as características anunciadas com relação a ele são verdadeiras. Trata-se de um tipo tradicional de marketing experiencial e também de uma forma de ativar marcas.

Por outro lado, quando provamos um perfume em uma loja especializada estamos participando de marketing experiencial, mas não necessariamente de uma ativação. O ato de provar o produto é uma forma de nos dar um referencial para a decisão de compra e não precisa estar atrelado a uma ativação para se fazer necessário.

Como fazer um plano de ativação de marca?

Para criar um plano de ativação de marca bem-sucedido é preciso seguir alguns princípios. Abaixo você confere os principais e vê como funcionam na prática.

Tenha um plano

Para a ativação de marca funcionar é preciso ter um plano. Quais são os objetivos que deve cumprir? Você consegue quantificá-los?

Quanto mais preciso for o plano desenvolvido para uma ativação maiores são as chances de ela funcionar. É um bom planejamento que vai orientar a tomada de decisões e permitirá que a equipe envolvida no projeto consiga entender exatamente que tipo de abordagem é a mais acertada.

Entenda seu público-alvo

Business Intelligence e Big Data são duas tecnologias que podem ser niveladas para ajudar a sua empresa a realizar uma ativação de marca de sucesso. Ambas permitem que as informações acumuladas sobre clientes e clientes em potencial sejam processadas em alta velocidade e geram insights acionáveis.

É uma boa contar com ambos os recursos se quiser bons resultados em sua campanha de ativação.

Quanto mais você puder saber a respeito dos clientes para os quais a ativação se destina, melhores se tornam as chances de obter resultados grandiosos. Faça o dever de casa e levante tantos dados quanto possível sobre o público para o qual a marca deve gerar valor.

Conheça a competição

Inteligência de mercado é útil para um negócio em vários momentos — e a ativação é um deles. Utilize-a para conhecer melhor a concorrência e entender exatamente que tipos de iniciativas funcionam para que gerem valor para seus respectivos públicos-alvo.

Essas informações ajudarão você a filtrar ideias boas de ideias ruins e a construir uma ativação de marca mais eficiente.

Confira os recursos disponíveis

Quanto será investido pela sua marca na ativação? De que tecnologias, especialidades e ferramentas a equipe envolvida no processo dispõe? Para conseguir o melhor ROI é preciso saber exatamente quanto será investido em um projeto e essa informação é parte de uma ativação de marca bem-feita.

Monitore em tempo real

Para conseguir calcular o ROI, porém, você precisará medir com o máximo de atenção possível os retornos oferecidos pela sua campanha de ativação.

Por isso, empregue recursos que permitam receber feedback imediato dos participantes e que consigam indicar exatamente quantas pessoas são impactadas pela sua iniciativa. 

Eles comprovarão a eficácia ou o fracasso de uma ativação de marca e serão bons indicadores das próximas ações para alavancar seu marketing.

Quais resultados a ativação de marca pode trazer à empresa?

Boas campanhas de ativação de marca têm a capacidade de colocar empresas no próximo patamar. Para algumas, essa é a estratégia para figurar entre as principais concorrentes do mercado. Claro, isso tudo com a escolha correta de ações e a segmentação mais precisa possível.

Se esses requisitos forem cumpridos, alguns resultados de destaque podem ser alcançados. Veja a seguir quais são e o que trazem de positivo para as marcas.

Brand awareness

Brand awareness acontece quando um consumidor lembra da sua marca ao pensar em determinado produto que você vende. Por exemplo, quando pensamos em lã de aço, a primeira marca que nos vem à cabeça é a Bombril, muito possivelmente.

Você pode até não chegar ao patamar do nosso exemplo, mas pode estar ao menos entre as principais opções do mercado, seja lá qual for seu produto. Isso é o resultado de um posicionamento estratégico da empresa, visando uma exposição positiva e direcionada ao público certo.

Engajamento

O engajamento é o resultado seguinte da consciência de marca. Depois de as pessoas conhecerem sua empresa e seu produto, o caminho natural é que elas consumam e se aproximem da sua marca. Aí, o engajamento acontece se o branding é bem feito.

Portanto, as ativações são uma espécie de primeiro contato em algumas oportunidades. Já em outras, essa presença da marca em ações estratégicas reforça sua identidade e posicionamento, gerando conexão com o público. Essa é uma ótima forma de gerar essa simpatia e sinergia entre marca e consumidor, o que leva ao engajamento.

Presença no mercado

As ativações também colocam marcas entre os maiores competidores do mercado, o que reforça a presença dessas empresas. Ter visibilidade é um ótimo negócio, mas é ainda melhor quando feito de forma segmentada. Essa presença acontece dessa maneira quando as estratégias de ativação são precisas.

Em mercados altamente competitivos, as ativações também precisam ser disputadas. Até mesmo as marcas estabilizadas investem nesse tipo de marketing. Então, se sua marca faz o mesmo, está mostrando ao mercado que está ali e pode ser uma ótima opção ao consumidor.

Competitividade

O velho ditado “quem não é visto não é lembrado” serve muito bem quando falamos de competitividade. Um dos principais ganhos da ativação de marca é justamente a possibilidade de ganhar destaque entre muitos outros competidores de elite.

Sua marca só vai vender mais se conseguir estar à vista do consumidor. Por isso, as estratégias de ativação, especialmente aquelas modernas e tecnológicas, agregam muito valor às marcas. Essas ações geram ótimas chances de bater concorrentes e ser sempre lembrado pelo seu consumidor.

Quais boas práticas devem ser aplicadas na ativação de marca?

Uma boa estratégia de ativação de marca passa por alguns pontos importantes. O sucesso das ações depende do entendimento do universo da sua marca, o que seu público gosta e como usar isso para captar a atenção das pessoas. Entenda mais como colocar essas questões em execução.

Conheça os hábitos do seu público

Você sabe o que exatamente seu público gosta de fazer? Ter a ideia dos hábitos e do cotidiano dessas pessoas é fundamental. Algo que pode ajudar a ter uma percepção mais aprofundada sobre esses detalhes é realizar um estudo de persona. Assim, você conhece quem são, de fato, as pessoas que compra da sua empresa.

Quando você conhece esses hábitos, consegue saber quais atividades essas pessoas gostam (esportes, games e filmes, por exemplo), que estilo musical apreciam, quais eventos frequentam, entre outros pontos. E dessa forma, consegue posicionar melhor suas ações de ativação, captando atenção e gerando uma ótima percepção.

Saiba como equiparar sua marca a outras de sucesso

Saber pesquisar o mercado e o que as marcas de sucesso estão fazendo vai permitir que sua empresa consiga o destaque que tanto busca. Aqui, veja bem, você não pode pensar em cópia, mas sim, em tendências de mercado. Afinal, muitas vezes é preciso equiparar os competidores para conseguir batê-los.

Portanto, pesquise dedicadamente o que seus concorrentes e o que empresas do mesmo setor, mas de países diferentes, estão fazendo. Na hora de replicar essas estratégias de ativação, lembre-se de inovar e colocar sua identidade nas ações. É sempre possível melhorar algo que já existe e é bom.

Estude o universo da sua marca

Sua marca sempre estará relacionada a determinado estilo de vida, hábitos dos consumidores, atividades, entre outras coisas. Quanto melhor você conhecer esse universo, melhor poderá explorá-lo por meio de ações eficazes. Essa é a melhor forma de se comunicar com seu público-alvo da maneira certa.

Uma empresa que faz isso perfeitamente é a Heineken. A marca investe em ativações em estádios de futebol e em diversos eventos esportivos. A UEFA Champions League, uma das principais competições esportivas do mundo, é sempre palco de grandes campanhas de ativação da marca de cervejas.

O mesmo é feito pela Red Bull, marca de drinks energéticos que identificou em seu universo as atividades radicais e a música. Por isso, a marca sempre se posicionou em competições de skate, surf e também em festivais de música eletrônica.

Como a tecnologia pode ser utilizada nessas estratégias?

Não dá para pensar em ativação de marca nos dias atuais sem relacionar essas estratégias com a tecnologia. Com a crescente de recursos modernos e altamente eficazes disponíveis no mercado, a escolha por utilizá-los é óbvia. Além de gerarem experiências mais potentes, têm maior capacidade de chamar atenção do público.

Portanto, grandes marcas não abrem mão de inovar em suas ações de ativação de marca, com apoio da tecnologia. A seguir, listamos alguns dos recursos que mais têm chamado atenção e explicamos como são utilizados.

Realidade aumentada

Se você acompanha o blog, certamente já deve ter lido alguns de nossos artigos em que citamos a realidade aumentada como um recurso incrível. Em termos simples, se trata de uma tecnologia que coloca pessoas em experiências tecnológicas simuladas.

A proposta da realidade aumentada é projetar à vista humana um aparelho, produto ou até mesmo uma realidade digital. É como se esse universo fosse trazido para a nossa realidade, permitindo, por exemplo, experimentar um tênis com ajuda de uma projeção 3D no seu smartphone.

Dentro dessas ações de realidade aumentada, a ideia é colocar a marca em evidência, possibilitar um teste de um produto e, de um modo geral, causar impacto. Quanto mais inovadora e disruptiva for a ativação, melhor será a impressão causada.

Realidade virtual

Já a realidade virtual preza por gerar experiências em um cenário totalmente digital, sem tentar trazê-lo para o ambiente real. A proposta da realidade virtual é mais imersiva, permitindo que o consumidor entre em um ambiente existente apenas no digital.

Com ajuda de celulares e outros gadgets, marcas convidam os consumidores a interagirem dentro dessas experiências. Na prática, essas pessoas, além de participarem, podem se sentir dentro, por exemplo, de uma realidade paralela.

Muitas empresas têm trabalhado com ativações em lojas físicas ou espaços varejistas utilizando os óculos de realidade virtual como ferramenta. Eles permitem a imersão necessária e que vai causar o impacto positivo nessas estratégias.

Hologramas

Os hologramas são projeções gráficas feitas em 3D, com a proposta de serem ultrarrealistas, geralmente para representar personagens. Ao longo da história, os hologramas foram muito utilizados na indústria do entretenimento, o que foi um fator de impulsão para a publicidade.

Hoje, é possível ver hologramas funcionando como um interessante recurso também para as ativações de marca. A infinidade de possibilidades torna esse recurso bastante útil, uma vez que pode ser explorado das mais diversas formas nas ações.

Marcas podem usar hologramas para projetar produtos, projetos arquitetônicos e imobiliários, mascotes da marca e até propagandas em tempo real nos PDVs. É um ótimo recurso e altamente capaz de captar atenção.

Painéis interativos

Os painéis interativos são também uma ótima oportunidade de ter seu público engajado com um recurso simples, mas muito efetivo. Esses painéis podem ser totens ou outro tipo de mecanismo que gere essa oportunidade de “participar” de alguma ação.

É importante que as interações propostas façam algum sentido para o consumidor. Ele precisa ser informado de algo, concorrer a algum prêmio, ou até mesmo ganhar um desconto em uma compra. Além da inovação e tecnologia, um benefício precisa estar envolvido para gerar interesse.

Se possível, utilize esses painéis também para captar dados do consumidor. Assim, você consegue, além de mostrar sua marca, gerar leads que podem resultar em vendas futuras.

Gostou de entender melhor o conceito de ativação de marca e como você pode fazer uma com sucesso? Ainda tem dúvidas se aplicar tudo isso sozinho será fácil? Então entre em contato com a Alice Wonders agora mesmo e conte com a ajuda de especialistas em ativação que elevarão sua marca para outro patamar!

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba no seu email todas as novidades do nosso blog sobre tecnologia e varejo, além de ficar por dentro do novos projetos Alice Wonders.

Thank you for subscribing.

Something went wrong.

Previous ArticleNext Article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Como criar experiências perfeitas? Inspire-se com a loja da Apple! 0 395

Vender é apenas o fim de uma jornada repleta de etapas. Para chegar lá, é necessário oferecer um ciclo de interações satisfatórias que vão compor o que chamamos de experiência de consumo. Quanto mais qualificada a sua, maiores as chances de gerar engajamento e relevância para sua marca, chegando até às vendas como resultado natural.

Para construir essa ideia completa de relação com o consumidor, é fundamental considerar alguns pontos essenciais, contemplados pelo conceito de Matriz de Experiência. Esses pilares capacitam marcas a envolver pessoas por meio de elementos diversos que vão criar a melhor percepção possível sobre a empresa.

Mas como construir isso da maneira certa? Explicamos ao longo deste post, que tratará sobre experiência de consumo, o que é esse conceito e como aplicá-lo com a ajuda da matriz. Acompanhe!

Qual é o poder da experiência de consumo para as marcas?

Bom preço, produto de qualidade e valor agregado. Esses são, certamente, os valores que mais saltavam aos olhos de um consumidor na hora de escolher uma empresa ao longo dos últimos anos. Ainda que sejam detalhes essenciais, não ocupam mais as primeiras posições na lista de prioridades do público.

Talvez para uma parcela dos consumidores ainda seja fundamental um produto ter o preço baixo, mas certamente, essa característica divide importância com outras. Afinal, do que adianta comprar um item que custa pouco, mas ser mal atendido na loja da marca? São questões inegociáveis para quem é cliente e deseja ter uma boa relação com marcas.

Esses detalhes que vão além das questões mais básicas são itens inegociáveis na hora de compor uma experiência de consumo perfeita. Nesse sentido, fica claro que as marcas precisam pensar em todas as etapas, desde as ações de marketing que vão atrair pessoas até o pós-venda.

A experiência de consumo ideal é aquela que gera no consumidor o sentimento de que tudo funciona muito bem, que a marca é atrativa e de que algo o faz querer comprar. Pode ser que essa pessoa nem mesmo saiba o que gera nela o desejo de consumo, mas no seu subconsciente há a certeza de que aquela marca é a escolha certa.

O que gera essa sensação nada mais é do que a experiência de consumo. Quando feito da maneira certa, esse conjunto de técnicas envolve mais facilmente, engaja o consumidor, gera vendas e fideliza.

O que é a matriz de experiência?

Para que haja esse envolvimento completo do cliente e que essa pessoa se sinta pronta não só para consumir, mas também para comprar de maneira fiel e recorrente, é necessário investir em alguns pilares. Essas bases conceituais, quando são aplicadas em conjunto, resultam na matriz de experiência.

O conceito alia quatro estruturas fundamentais que devem ser colocadas em prática ao pensar em experiência de consumo:

  • Entretenimento;
  • Educação;
  • Estética;
  • Escapismo.

A proposta é que, na execução da estratégia de experiência, esses pilares possam convergir, mas não necessariamente de maneira simultânea. O desequilíbrio, pensado para conduzir o consumidor da maneira mais adequada em cada etapa da jornada do cliente, é o que vai entregar exatamente o que cada pessoa espera.

Esse conceito pode ser melhor compreendido por meio da representação gráfica dessa matriz:

Como você pode ver, as etapas de entretenimento e de educação são voltadas para a absorção da ideia de produtos, conceito dos serviços e como o que é vendido soluciona problemas. Já os pilares de estética e escapismo são projetados para imersão do consumidor na ideia de marca, algo constantemente feito em espaços físicos de varejo.

Como funcionam os pilares da matriz de experiência?

Cada um desses pilares têm uma função bastante específica na hora de envolver o consumidor dentro da experiência de consumo. Entenda melhor esses papéis e como são concretizados em ações e ideias.

Entretenimento

O entretenimento consiste em captar a atenção do consumidor que está no varejo e fazer com que essa pessoa consiga ser imersa na ideia de marca e produto de maneira lúdica. A interação é também muito importante para gerar um momento mais leve e que vai permitir que o consumidor consiga ter a percepção pretendida sobre a marca

Educação

Todo consumidor precisa ser educado para que possa conhecer mais sobre o produto que a marca oferece. Nos espaços de varejo, educar pode ser feito das mais diferentes formas. Isso vai desde painéis interativos em que o cliente aprende de maneira autônoma até a o atendimento tradicional feito por um vendedor bem preparado

Estética

Uma boa identidade visual, uma decoração sofisticada e um ambiente que tem uma estética alinhada à identidade de marca criam uma percepção aprofundada sobre a empresa. É fundamental que as lojas sejam preparadas para gerar essa imersão.

Escapismo

A ideia de escapismo no varejo consiste na capacidade de ambientes em gerarem um deslocamento da realidade. Na prática, são locais que proporcionam uma imersão mais qualificada, ou até mesmo que sejam únicos e inovadores. Esses locais são marcantes e despertam a percepção de modernismo e sofisticação no consumidor.

O que a Apple pode nos ensinar sobre experiência de consumo?

Um dos maiores cases de sucesso do mundo, sem dúvidas, é a Apple, com suas flagships, as lojas conceitos. Espalhadas pelo mundo todo, uma delas é considerada a grande referência da marca, a da Quinta Avenida, em Nova York. Por lá, os quatro pilares da matriz de experiência podem ser não só observados, como vivenciados.

Começando pelo entretenimento, na programação da loja está a atividade Today at Apple, um fórum diário e gratuito que traz debates, apresentações e palestras sobre variados temas dos mais diversos universos.

Imagem: Apple

No pilar educação, a loja da Quinta Avenida se destaca pelo seu staff altamente capacitado, extenso e plural, com pessoas de mais de 30 idiomas distintos. Há ainda dois tipos de equipes de especialistas para ajudar sobre produtos, funcionalidades e gadgets da empresa: Geniuses e Creative Pros.

Imagem: Apple

A estética aplicada na loja traz muito da ideia de design da Apple: simples, funcional e bonito. Isso se reflete em um espaço amplo, totalmente sofisticado e com diversos ambientes com a cara da marca.

Imagem: Apple

Por fim, a ideia de escapismo é aplicada com um dos maiores atrativos da unidade Apple da Quinta Avenida: o cubo luminoso. A construção inovadora pode ser visitada pelos clientes da loja e explorada em uma experiência de imersão total que foi reformado completamente em 2019.

Imagem: Apple

Com uma compreensão perfeita da matriz de experiência, a Apple da Quinta Avenida mostra como é possível convergir os pilares com perfeição.

Criar experiências perfeitas é um desafio para lojas que querem ter muito mais do que um bom produto. Fidelizar e ser referência precisa ser um objetivo de quem deseja liderar o mercado. Para isso, contemplar os pilares da matriz, assim como a Apple faz, é fundamental.

A Alice Wonders pode ajudar a sua marca a proporcionar experiências perfeitas para seu consumidor com Tecnologia, Inovação e Dados. Conheça nossos cases, inspire-se e saiba mais!

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba no seu email todas as novidades do nosso blog sobre tecnologia e varejo, além de ficar por dentro do novos projetos Alice Wonders.

Thank you for subscribing.

Something went wrong.

Metaverso: o que é e como ele impacta o futuro do varejo? 0 261

Novas tecnologias e possibilidades do universo digital surgem em tamanho volume que deixam muitos de nós confusos. Um dos principais entre os últimos tópicos da categoria se chama Metaverso. O que para muitas pessoas é algo difícil de tangibilizar, para outras, especialmente empresas, é uma oportunidade incrível de vender produtos e serviços.

Não há, atualmente, ambiente digital em que não seja possível posicionar uma empresa estrategicamente, nem que seja para gerar consciência de marca e criar relacionamento com o público. Com o metaverso, é possível fazer isso e também vender produtos. Tudo depende de como o negócio consegue explorar as possibilidades oferecidas.

Conhecer mais sobre o metaverso, o que de fato é e quais tecnologias sustentam esse espectro é fundamental. Esses e outros pontos você conhece ao longo deste post. Acompanhe!

O que é o metaverso?

Metaverso é um conceito tecnológico que trata sobre uma realidade paralela que acontece totalmente em ambiente digital. Nesse universo não concreto, mas acessível por meios como a internet e games, é possível se conectar e se fazer presente como pessoa, empresa, marca e até mesmo como personagem.

A ideia de metaverso não é exatamente algo novo. Universos paralelos sempre existiram em games, nos quais sempre foi possível a imersão e a interação enquanto jogador, por meio de um personagem, por exemplo. Essa concepção também esteve presente em filmes de ficção científica por diversas vezes na história do cinema.

A grande diferença é que, atualmente, temos cada vez mais possibilidades de estarmos dentro desses universos paralelos, isso graças à transformação digital. Essa facilidade de conexão, aliada ao desenvolvimento de ambientes de maneira avançada, fez com que oportunidades de mercado pudessem ser detectadas.

Enquanto para alguns o metaverso segue sendo apenas um ambiente de lazer e diversão, para muitas empresas é uma oportunidade de posicionamento e lucro. Talvez esse tenha sido o fator principal para impulsionar essa tendência e torná-la algo ainda mais relevante.

As tecnologias

Como um grande universo digital paralelo, o metaverso só é possibilitado graças às tecnologias que o fazem existir e também às que permitem que nós, usuários, possamos interagir e imergir nesses ambientes.

Entre essas tecnologias pilares para os universos digitais estão:

  • realidade aumentada;
  • realidade mixada;
  • blockchain;
  • reconhecimento facial;
  • inteligência artificial;
  • NFT;
  • smart contracts;
  • criptoativos.

Como o metaverso aparece no cotidiano?

Um dos pontos que mais merecem destaque quando tratamos sobre metaverso é a convergência entre vida real e universo digital. Hoje, muito do que somos em nossas vidas pode ser replicado, com as devidas limitações, em ambientes paralelos e remotos. E é assim que o metaverso tem estado mais presente no cotidiano da sociedade.

Na pesquisa Into the Metaverse, desenvolvida pela Wunderman Thompson, alguns dados chamam atenção e mostram como estamos cada vez mais dependentes da tecnologia como recurso para realizarmos tarefas e atividades. Por exemplo, o estudo apontou que 93% das pessoas entrevistadas afirmam que a tecnologia é essencial ao nosso futuro.

Diante disso, você consegue ver seu cotidiano acontecendo naturalmente sem ajuda da tecnologia? De acordo com a pesquisa, 76% das pessoas enxergam recursos e ferramentas como essenciais para o dia a dia.

Sabendo dessa relação que a sociedade tem com a tecnologia, as empresas já têm introduzido o metaverso na vida das pessoas de maneira natural. Bons exemplos são:

  • ações de marketing feitas para games (por exemplo, grandes marcas de material esportivo têm presença forte em jogos de futebol, como o Fifa, mais famoso entre eles);
  • NFTs (muitas marcas já têm comercializado artigos colecionáveis em formato de NFT);
  • criptomoedas já são aceitas por uma série de e-commerces;
  • empresas têm criado salas de reuniões e espaços virtuais para que funcionários possam criar seus avatares e interagirem nesses ambientes, aproximando pessoas mesmo em modelos de trabalho remotos;
  • o uso de óculos de realidade virtual para proporcionar experiências multissensoriais na hora de apresentar projetos de imóveis, test-drive de carros, entre outras possibilidades.

Marcas não têm investido nessa maior ocupação do digital, incluindo o metaverso, à toa. A pesquisa da Wunderman Thompson apontou também que 81% das pessoas ouvidas acreditam que a presença nesses ambientes é tão importante quanto em espaços físicos, como lojas.

Quais são os possíveis produtos desse universo?

O metaverso como possibilidade estratégica para marcas ainda é algo em expansão. As marcas ainda vão testar possibilidades, lançar produtos que vão dar certo e também vão errar em algumas oportunidades. Portanto, ainda há muito a ser explorado ao longo dos próximos anos.

Hoje, já há alguns produtos e oportunidades de negócio que ganharam mais atenção e trouxeram respostas rápidas para as empresas. Falamos mais sobre os principais na sequência.

Propriedade de itens digitais (digital ownership)

Ser proprietário de algo único, colecionável e transferível apenas em relações comerciais é algo que tem dado muito certo quando falamos de metaverso. Essa ideia de valor deu origem a produtos como criptomoedas, NFTs e acessórios e skins (muitas vezes de grifes famosas) para serem usados em games e em ambientes de metaverso.

Lazer e bem-estar (connected wellbeing)

A medicina também já utiliza o metaverso como ferramenta de tratamentos terapêuticos. Com ajuda de jogos orientados para essa finalidade, a categoria connected wellbeing propõe atividades para pessoas que tratam stress, problemas com o sono e questões gerais de saúde mental.

Relações e interações digitais (digital relationship)

As relações digitais vêm já há bastante tempo por meio das redes sociais e, principalmente, pelos games. São recursos que trazem interação e aproximação entre pessoas.

Meta Business

Esta é uma categoria mais abrangente que trata de atividades de marcas que trabalham para capitalizar ações dentro do metaverso. A ideia é criar itens e experiências que gerem brand awareness e consumo concreto. Isso acontece por meio de possibilidades como:

  • anúncios em jogos;
  • experiências de realidade aumentada no varejo;
  • venda de produtos digitais.

O metaverso está muito mais presente em nossa realidade do que podemos imaginar. A tendência é que, gradativamente, suas possibilidades e recursos sejam ainda mais acessíveis e pertinentes ao dia a dia de grande parte dos usuários do digital. Por enquanto, conhecer mais sobre as possíveis ações, sobretudo para as marcas, é essencial para sair na frente dos concorrentes.

Curtiu saber mais sobre o assunto? Aproveite e saiba como você pode inovar na hora de fazer ações digitais de ativação de marca!

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba no seu email todas as novidades do nosso blog sobre tecnologia e varejo, além de ficar por dentro do novos projetos Alice Wonders.

Thank you for subscribing.

Something went wrong.

Most Popular Topics

Editor Picks

Send this to a friend