Os 4 Perfis do Consumidor para 2025 0 58

Perfis do Consumidor de 2025

No artigo de hoje, vamos explorar como os 4 Perfis do Consumidor de 2025 Interagem com o Varejo Físico Inovador.

Em um mundo em constante evolução, onde a tecnologia e as expectativas dos consumidores se entrelaçam de maneiras cada vez mais complexas e intrigantes, o varejo encontra-se em um ponto de inflexão. As demandas do consumidor contemporâneo vão além de simples transações comerciais, buscando experiências que atendam, encantem e perdurem na memória.

À luz do relatório “Consumidor do Futuro 2025” da WGSN, quatro perfis distintos de consumidores emergem no horizonte, cada um com suas aspirações, desejos e desafios: os Neo-niilistas, Redutores, Protetores do Tempo e Pioneiros.

Estes perfis não só destacam a diversidade de perspectivas e comportamentos entre os consumidores, mas também sublinham a necessidade de reinventar as experiências de varejo.

Primeiro, vamos entender o Valor das Experiências no Varejo Físico

Conforme nos aprofundamos na essência das experiências de varejo, identificamos que elas vão muito além da simples aquisição de produtos ou serviços:

A experiência no varejo físico transcende a aquisição de produtos ou serviços; trata-se de uma jornada que pode evocar emoções, criar memórias e, de maneira mais sutil, cultivar uma conexão duradoura entre consumidor e marca.

A tecnologia, quando integrada de maneira perspicaz e criativa, pode amplificar essas experiências, criando interações que são simultaneamente intuitivas e inovadoras. A realidade aumentada, inteligência artificial, e análise de dados, entre outras, não são meramente ferramentas operacionais, mas veículos através dos quais as experiências dos consumidores são elevadas, personalizadas e, acima de tudo, valorizadas.

Agora sim, vamos entender Como os 4 Perfis do Consumidor de 2025 Interagem com o Varejo Físico Inovador

Perfis do Consumidor de 2025 Neo-niilistas

Neo-niilistas: A Busca por Novos Propósitos e Realidades

Desiludidos com um mundo que parece perpetuamente volátil e incerto, os Neo-niilistas encontram consolo e libertação ao desapegar-se das normas e expectativas convencionais.

Este perfil de consumidor, marcado pelo ceticismo e uma rejeição sutil à norma social, não é apático, mas sim em busca de novos propósitos e realidades que ressoem genuinamente com suas percepções e valores. Eles buscam experiências e produtos que desafiem o status quo, que permitam explorar novas realidades e que, em última análise, proporcionem um refúgio momentâneo da complexidade do mundo.

Para atrair e reter os Neo-niilistas no varejo físico, a experiência oferecida precisa ser autêntica, inusitada e, acima de tudo, genuinamente empática às suas visões de mundo.

Criar espaços que não só vendem produtos, mas também oferecem experiências imersivas e alternativas pode ser uma estratégia eficaz. Por exemplo, imagine uma loja que, além de vender roupas, ofereça experiências meditativas VR que proporcionem uma pausa introspectiva do mundo externo.

A tecnologia pode ser implementada para criar experiências que se alinhem com o desejo dos Neo-niilistas por novas realidades e propósitos.

Realidade virtual e aumentada, que oferece viagens a mundos alternativos ou apresenta produtos de maneiras completamente novas e futuristas, pode se tornar um atrativo.

Perfis do Consumidor de 2025 Redutores

Redutores: Reconectando com o Mundo Através da Comunidade e Sustentabilidade

Os Redutores, por outro lado, buscam reestabelecer uma conexão tangível com o mundo físico e suas comunidades, ancorada em ética e sustentabilidade.

Este perfil de consumidor é impulsionado por um desejo de retribuir, apoiar e fazer parte de uma comunidade, sempre mantendo um olhar crítico sobre a ética e a integridade das práticas empresariais e dos produtos que consomem.

O consumo, para os Redutores, é tanto um ato social quanto uma transação comercial, onde cada compra é vista através da lente da sustentabilidade e do impacto comunitário.

A implementação de práticas éticas e sustentáveis no varejo físico torna-se, assim, imperativa para atrair os Redutores. Isso pode se traduzir em uma variedade de estratégias, desde a utilização de tecnologias que reduzam a pegada de carbono da loja, até o estabelecimento de parcerias com marcas e produtores locais, reforçando um compromisso com a comunidade local.

A experiência na loja para os Redutores deve equilibrar a conveniência digital com autênticas conexões humanas, envolvendo o uso de tecnologia para facilitar a descoberta e a compra de produtos enquanto está na loja, mas também garantindo que os clientes possam se conectar com os valores, histórias e pessoas por trás dos produtos e da marca.

Espaços de varejo que oferecem não apenas produtos, mas também oportunidades para se conectar e aprender com a comunidade – seja através de workshops, eventos ou outras iniciativas – poderiam ressoar profundamente com este perfil.

Perfis do Consumidor de 2025 Protetores do Tempo

Protetores do Tempo: Valorizando Cada Momento

Os Protetores do Tempo, com sua inabalável crença no valor intrínseco do tempo e na busca por enriquecimento pessoal em vez de material, têm um olhar crítico sobre como e onde investem seus minutos e horas. Este grupo vê o tempo não apenas como um recurso, mas como uma moeda que pode ser trocada por experiências, memórias e momentos que, coletivamente, enriquecem suas vidas.

A estratégia de varejo para este grupo precisa enfocar em oferecer produtos e serviços que não apenas economizem tempo, mas que também adicionem um valor tangível e significativo a cada momento.

O uso de tecnologia, neste contexto, deve ser sutil, mas profundamente impactante, servindo para melhorar e otimizar a experiência do cliente sem se tornar uma distração ou um obstáculo.

Além disso, oferecer produtos e serviços que permitam aos clientes maximizar o seu tempo, seja por meio de soluções de compra rápidas e eficientes ou oferecendo experiências que se alinham com seus interesses e paixões, também será crucial.

A experiência na loja deve ser vista como uma extensão de seu estilo de vida, proporcionando-lhes a oportunidade de explorar, aprender e, mais importante, valorizar cada momento passado dentro do espaço.

Perfis do Consumidor de 2025 Pioneiros

Pioneiros: Navegando entre Mundos com Inovação e Versatilidade

Os Pioneiros, intrépidos e sempre na fronteira do novo e do desconhecido, buscam incessantemente experiências, produtos e serviços que não apenas desafiem, mas também expandam seus horizontes.

Eles veem os mundos físico e digital não como entidades distintas, mas como espaços interconectados e transitórios que oferecem infinitas possibilidades para exploração e inovação.

Para encantar e engajar os Pioneiros no varejo físico, as experiências oferecidas devem permitir uma transição suave e integrada entre o físico e o digital.

A inovação não deve ser apenas tecnológica, mas também conceptual, envolvendo os clientes em jornadas que desafiem suas percepções e os conduzam a novas realidades. Isso envolve a exploração de novos modelos de negócios, como o varejo como serviço, ou a criação de experiências de loja que são, em si mesmas, formas de arte e exploração.

Pioneiros são atraídos para o novo, o inexplorado, e o inesperado. Portanto, criar experiências de varejo que continuamente os surpreendam e desafiem será fundamental para mantê-los engajados e investidos.

Estratégias de Engajamento para os Consumidores do Futuro

Com um futuro consumidor tão diversificado e multifacetado, as estratégias de engajamento devem ser igualmente variadas e robustas. A partir dos insights dos perfis de consumidor e as estratégias mencionadas anteriormente, exploramos abordagens focadas no varejo físico, incorporando tecnologia e design de experiência.

  • Reduzindo a Pressão na Era Policrise
    • Implementação de Tecnologia: Use a tecnologia para simplificar e suavizar a jornada do cliente na loja, como checkouts sem contato, navegação in-store por meio de aplicativos, e assistentes virtuais para fornecer informações imediatas e suporte.
    • Espaços de Varejo como Refúgios: Crie ambientes de varejo que sejam um oásis de calma e prazer, utilizando elementos de design sensorial, como iluminação suave, aromas calmantes, e espaços confortáveis para explorar e descansar.
  • Criando Conexões e Comunidades
    • Experiências Comunitárias na Loja: Organize eventos na loja que promovam a conexão entre os clientes e a comunidade local, como workshops, palestras, e mercados de agricultores locais.
    • Tecnologia para Conectar: Utilize estratégias para ampliar a comunidade, oferecendo eventos, fóruns de discussão, e plataformas de compartilhamento de ideias.
  • Priorizando Qualidade sobre Quantidade
    • Curadoria de Produtos: Faça uma seleção rigorosa de produtos que não apenas atendam aos padrões de qualidade, mas que também se alinhem com os valores e aspirações do cliente.
    • Experiências de Compra Enriquecedoras: Utilize tecnologia para realçar a história e a autenticidade dos produtos, talvez por meio de realidade aumentada que compartilha histórias de produtores ou o impacto ambiental positivo de uma compra.
  • Facilitando a Transição entre Realidades
    • Lojas Phygital: Crie espaços que mesclam o físico e o digital, permitindo aos clientes interagir com produtos e serviços de maneira imersiva e tecnologicamente enriquecedora.
    • Interatividade e Personalização: Utilize tecnologia para criar experiências personalizadas proporcionando uma continuidade e coesão à jornada do cliente.

Todas essas estratégias devem ser enraizadas em uma compreensão profunda dos valores, desejos e expectativas dos perfis de consumidores identificados. A implementação eficaz dessas estratégias no varejo físico será crucial para atrair, envolver e reter os consumidores do futuro, criando experiências que não apenas atendam, mas também superem suas expectativas.

➡️ O Relatório “Consumidor do Futuro 2025” da WGSN, revelou recentemente os 04 perfis emergentes que guiarão o mercado nos próximos anos.

Conclusão

Ao explorar as multifaces dos perfis de consumidor do futuro, ficamos mais capacitados para entender e atender suas necessidades, desejos e aspirações com autenticidade e precisão.

Os Neo-niilistas, Redutores, Protetores do Tempo e Pioneiros apresentam uma variedade de oportunidades para o varejo físico se transformar, oferecendo experiências que são, simultaneamente, enriquecedoras, éticas, convenientes e inovadoras.

A tecnologia e as experiências sensoriais, quando habilmente entrelaçadas, têm o poder de criar ambientes de varejo que são não apenas lugares de compra, mas destinos de descobertas, conexões e prazer.

As estratégias de engajamento delineadas aqui, quando implementadas com consideração e cuidado, têm o potencial de forjar um caminho que não só atende, mas também antecipa as necessidades dos consumidores do futuro, estabelecendo o cenário para um varejo mais inclusivo, consciente e inovador.

Convidamos você a embarcar nesta jornada de descoberta e inovação com a Alice Wonders, criando experiências de varejo que não só desafiam, mas também redefinem os limites do que é possível no espaço físico do varejo.

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba no seu email todas as novidades do nosso blog sobre tecnologia e varejo, além de ficar por dentro do novos projetos Alice Wonders.

Thank you for subscribing.

Something went wrong.

Previous ArticleNext Article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tecnologias sustentáveis: o que são e como adotá-las no seu Ponto de Venda 0 477

A sustentabilidade tem se tornado um fator crucial no mundo dos negócios, e a adoção de tecnologias sustentáveis no varejo não é apenas uma tendência, mas uma necessidade.

Neste artigo, vamos entender o que são tecnologias sustentáveis, por que adotá-las no seu ponto de venda e apresentar quatro exemplos promissores para tornar a sua loja física mais sustentável.

O que são tecnologias sustentáveis

Tecnologias sustentáveis são aquelas que visam reduzir o impacto negativo no meio ambiente, melhorar a eficiência energética e diminuir a quantidade de recursos naturais utilizados durante a produção e operação de produtos e serviços.

Essas tecnologias podem ser aplicadas em diversos setores, incluindo o varejo, onde são cada vez mais necessárias para garantir a sobrevivência e o sucesso dos negócios.

Por que adotar tecnologias sustentáveis nas lojas físicas e pontos de venda

A adoção de tecnologias sustentáveis no varejo traz uma série de benefícios, como:

  1. Redução de custos com energia e insumos;
  2. Melhoria da imagem da marca, que passa a ser vista como comprometida com o meio ambiente;
  3. Atração de consumidores conscientes e preocupados com a sustentabilidade;
  4. Possibilidade de cumprir metas de ESG (Environmental, Social and Governance), o que pode atrair investidores e melhorar a posição da empresa no mercado.

Exemplos de tecnologias sustentáveis no varejo: 

1. Reverse Vending Machines

As Reverse Vending Machines, também conhecidas como máquinas de retorno de embalagens, já são utilizadas em diversos países como Alemanha, Noruega e Suécia, para incentivar a reciclagem e a sustentabilidade no varejo. Nesses países, a adoção dessa tecnologia tem sido bastante eficiente, gerando resultados significativos na reciclagem de embalagens.

Um exemplo prático do uso das Reverse Vending Machines é o sistema alemão Pfand, que atua na reciclagem de garrafas PET, latas de alumínio e vidro. Nesse sistema, os consumidores pagam uma quantia ao comprar uma bebida e recebem de volta esse valor quando retornam as embalagens às máquinas. O Pfand tem uma taxa de retorno de cerca de 98% para garrafas PET e latas de alumínio, o que mostra o potencial dessa tecnologia para promover a sustentabilidade no varejo.

Outro exemplo é a rede de supermercados britânica Tesco, que implementou um projeto piloto com Reverse Vending Machines em algumas de suas lojas no Reino Unido.

A iniciativa oferece aos consumidores cupons de desconto em troca de embalagens de plástico retornadas, incentivando a reciclagem e reforçando a imagem da marca como ambientalmente responsável.

No Brasil, algumas iniciativas semelhantes começam a ganhar espaço. Um exemplo é a empresa Triciclo, que criou a Retorna Machine, uma máquina de retorno de embalagens presente em diversos pontos de São Paulo. Os usuários cadastrados na plataforma podem depositar embalagens vazias de produtos como refrigerantes, águas e cervejas, e acumular pontos que podem ser trocados por descontos em serviços e produtos ou doados a instituições sociais.

Esses exemplos mostram como as Reverse Vending Machines podem ser implementadas no varejo, contribuindo para a redução do desperdício e da poluição, melhorando a experiência do cliente e permitindo que as empresas cumpram metas de ESG.

2. Digital Signage

A digitalização da comunicação visual através do Digital Signage é uma tendência crescente no varejo, pois oferece inúmeras vantagens em comparação com a comunicação tradicional em papel. Além de contribuir para a sustentabilidade, o Digital Signage proporciona uma melhor experiência ao consumidor e facilita a atualização e personalização das mensagens veiculadas.

O Digital Signage é composto por telas digitais, painéis de LED ou monitores que exibem informações, promoções, vídeos e outros conteúdos relevantes para o público. As telas podem ser controladas remotamente, o que permite aos varejistas atualizar rapidamente a comunicação de campanhas, promoções e preços em tempo real. Isso evita o desperdício de papel e recursos financeiros com a impressão e o descarte de materiais físicos.

Um exemplo de sucesso na aplicação do Digital Signage no varejo é a rede de fast food McDonald’s. A empresa adotou o uso de menus digitais em suas lojas, substituindo os tradicionais painéis em papel ou plástico.

Com as telas digitais, o McDonald’s consegue alterar o conteúdo dos menus de forma rápida e eficiente, adaptando-se às demandas dos consumidores e às mudanças no mercado.

Mais do que isso, a rede de fast food utiliza o Digital Signage para veicular mensagens promocionais e informativas, proporcionando uma experiência mais atrativa e dinâmica para os clientes.

A implementação do Digital Signage no McDonald’s demonstra como a digitalização da comunicação visual pode gerar benefícios tanto para o varejista quanto para o consumidor.

Então, a adoção dessa tecnologia contribui para a redução do consumo de papel e a promoção da sustentabilidade, além de otimizar a comunicação e proporcionar uma experiência mais agradável e moderna ao público.

3. Faixas de LCD touch

As faixas de LCD touch são uma solução tecnológica inovadora que tem ganhado espaço no varejo, proporcionando uma experiência mais interativa e informativa para os clientes e simplificando a gestão de conteúdo para os varejistas. Essas faixas são telas sensíveis ao toque que podem ser instaladas nas prateleiras das lojas, exibindo informações detalhadas sobre produtos, vídeos-tutoriais, preços, promoções e outras mensagens relevantes.

Um exemplo de sucesso na aplicação das faixas de LCD touch no varejo é a rede de supermercados francesa Carrefour. A empresa implementou as faixas de LCD touch em algumas de suas lojas como parte de um projeto piloto para melhorar a experiência do cliente e otimizar a gestão de conteúdo no ponto de venda.

Com as faixas de LCD touch, os clientes do Carrefour podem tocar na tela para acessar informações detalhadas sobre os produtos, como origem, ingredientes, informações nutricionais e dicas de uso.

Além disso, a empresa utiliza as telas para exibir promoções, gerar cupons de desconto e veicular mensagens personalizadas de acordo com o perfil de cada cliente.

Para os varejistas, as faixas de LCD touch facilitam a atualização de preços e promoções em tempo real, eliminando a necessidade de impressões e descartes de papel.

Portanto, isso contribui para a redução de custos e a promoção da sustentabilidade, além de proporcionar uma experiência de compra mais agradável e moderna para os consumidores.

4. Projeções mapeadas

A projeção mapeada em mesas, vitrines ou manequins possibilita expor diferentes produtos e campanhas com praticidade e rapidez, reduzindo custos com logística, montagem e desmontagem.

Um exemplo disso é a marca ABYAT, que utilizou a tecnologia da Alice Wonders para apresentar infinitas combinações de estampas sem comprometer uma grande quantidade de espaço e mão de obra, além de economizar tempo na montagem e desmontagem de produtos e demais logísticas em loja.

#DICA BÔNUS:
Use a tecnologia para divulgar o posicionamento sustentável da sua marca

Um exemplo de como a tecnologia pode ser utilizada para divulgar o posicionamento sustentável de uma marca é a Boutique Carapreta.

Eles criaram uma Fazenda Virtual Interativa para apresentar o criterioso processo das carnes Carapreta, desde a seleção genética, programação nutricional, cria e abate dos animais até os processos de industrialização e distribuição dos produtos até chegar ao consumidor final.

Em um balcão na loja, os visitantes eram convidados a interagir e trocar as diferentes faces de um cubo, que exibia em telas, de forma educativa e lúdica, cada uma das etapas “Da Fazenda À Mesa”.

Uma curiosidade sobre o projeto é que todos os tijolos utilizados no revestimento são com barro de Brumadinho, município brasileiro de Minas Gerais que sofreu em 2019 com o rompimento da barragem de rejeitos, configurando-o como o segundo maior desastre industrial do século.

Conclusão

A adoção de tecnologias sustentáveis no varejo é essencial para garantir a sobrevivência e o sucesso das empresas nesse mercado cada vez mais competitivo e consciente dos impactos ambientais. Investir em soluções como Reverse Vending Machines, Digital Signage, faixas de LCD touch e projeções mapeadas não só promove a sustentabilidade, como também traz benefícios econômicos e melhora a imagem das marcas.

Além disso, é fundamental utilizar a tecnologia para divulgar o posicionamento sustentável da sua marca, como no exemplo da Boutique Carapreta, onde a Fazenda Virtual Interativa mostrou de forma interativa e educativa o processo sustentável das carnes da marca.

Ao alinhar a estratégia de negócio com a sustentabilidade, as empresas garantem um futuro mais promissor e responsável.

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba no seu email todas as novidades do nosso blog sobre tecnologia e varejo, além de ficar por dentro do novos projetos Alice Wonders.

Thank you for subscribing.

Something went wrong.

Varejo alimentar: 06 dicas de experiências para o seu PDV (+ 1 bônus) 0 379

No varejo, principalmente no segmento alimentício, a concorrência é acirrada e a busca por atrair e fidelizar clientes é constante. 

Para se destacar, é essencial oferecer experiências convenientes, ágeis e personalizadas. 

A tecnologia tem sido uma aliada na geração de experiências de autoatendimento, personalização e interatividade no PDV, aumentando as vendas e a satisfação dos consumidores. 

A seguir, apresentamos 6 exemplos de tecnologias que podem ser aplicadas no seu PDV de varejo alimentar, além de uma dica bônus.

1. Self-checkout

Os terminais de self-checkout são sistemas de autoatendimento onde os próprios clientes registram e pagam pelos produtos. 

Essa tecnologia agiliza o processo de compra, reduz filas e proporciona maior autonomia e satisfação ao cliente. 

Além disso, o self-checkout ajuda a otimizar a gestão de funcionários e a reduzir custos operacionais.

Um exemplo de sucesso na implementação do self-checkout é a rede de supermercados Pão de Açúcar, que introduziu essa tecnologia em suas lojas para melhorar a experiência de compra dos clientes e aumentar a eficiência operacional.

Nas lojas do Pão de Açúcar com self-checkout, os clientes podem escolher entre o atendimento tradicional no caixa ou optar pelo autoatendimento. 

Ao escolherem a opção de self-checkout, os clientes escaneiam os produtos, pesam os itens que necessitam, empacotam-nos e realizam o pagamento por meio de cartões de crédito, débito ou aplicativos de pagamento, sem a necessidade de interagir com um funcionário.

A implementação do self-checkout nessas lojas trouxe diversos benefícios, como:

  1. Redução das filas e do tempo de espera, proporcionando maior comodidade aos clientes;
  2. Maior autonomia para os consumidores, que passaram a ter mais controle sobre o processo de compra;
  3. Otimização do trabalho dos funcionários, que podem ser realocados para outras funções, como atendimento ao cliente e reposição de produtos;
  4. Redução de custos operacionais, já que a necessidade de contratação de caixas é diminuída.

Com a crescente demanda por agilidade e autonomia no varejo, o self-checkout se apresenta como uma solução eficiente para melhorar a experiência de compra e aumentar a competitividade no mercado.

2. Holografia de Gôndola

A holografia de gôndola permite a projeção de imagens tridimensionais de produtos e ofertas nas prateleiras. 

Essas projeções realistas chamam a atenção dos clientes e destacam lançamentos ou itens em promoção, incentivando a compra. 

A tecnologia também pode ser utilizada para criar experiências imersivas e diferenciadas no ponto de venda.

Um grande marca do varejo alimentar que já aposta em holografias de gôndola é a Coca-Cola

A marca incorporou essa tecnologia em diversas redes varejistas para atrair a atenção dos clientes e aumentar o interesse em produtos específicos.

Nas gôndolas equipadas com holografia, os clientes podem ver projeções 3D realistas de produtos, além de itens promocionais.

Essas projeções são exibidas de forma dinâmica e chamativa, destacando os itens em oferta e proporcionando uma experiência de compra única e inovadora.

3. Scan-and-show

O scan-and-show é um sistema que utiliza scanners ou aplicativos de smartphone para ler códigos de barras ou QR codes dos produtos. 

Ao escanear, os clientes têm acesso a informações detalhadas do produto, como ingredientes, informações nutricionais e promoções. 

Isso aumenta a interatividade e confiança do consumidor, além de facilitar a comparação de produtos e a tomada de decisão de compra.

A rede Pão de Açúcar é uma das que já possui um sistema de Scan-and-show.

Por meio do aplicativo, os clientes podem escanear os códigos de barras ou QR codes dos produtos nas prateleiras das lojas, obtendo acesso a informações detalhadas, como ingredientes, informações nutricionais, alergênicos e promoções. 

Além disso, o aplicativo também permite criar listas de compras, verificar o histórico de compras e acumular pontos no programa de fidelidade da rede.

4. Store-in-Store

A estratégia de store-in-store consiste em criar, dentro de um estabelecimento maior, espaços exclusivos dentro para marcas parceiras ou produtos específicos. 

Esses espaços são projetados para destacar e valorizar os itens, atraindo a atenção dos consumidores e gerando maior interesse. 

Mais que isso, o Store-in-Store pode ser uma forma de oferecer experiências personalizadas e exclusivas aos clientes, fortalecendo a relação entre marcas e consumidores.

Veja esse exemplo que fizemos para a Nestlé:

5. Vending Machine

As Vending Machines são máquinas automáticas de venda que disponibilizam produtos selecionados, como lanches, bebidas e itens de conveniência. 

Você com certeza já viu alguma no metrô ou em algum aeroporto.

Essas máquinas oferecem comodidade aos clientes, que podem comprar produtos rapidamente e sem a necessidade de interação com funcionários. 

Além disso, as Vending Machines podem ser posicionadas em áreas estratégicas do PDV, facilitando o acesso e incentivando as compras por impulso.

Mas, nosso ponto aqui é sobre a oportunidade de transformar essas Vending Machines em Pontos de Experiência (PDX).

Você pode aproveitar a própria máquina para investir em publicidade diferenciada que se aproxima do consumidor. 

Veja um exemplo que fizemos com a Ambev:

6. Projeção mapeada em mesas, balcões, superfícies

A projeção mapeada é uma técnica que utiliza projetores para criar imagens e animações interativas em superfícies como mesas, balcões e paredes. 

Essas projeções podem ser usadas para exibir informações sobre produtos, criar ambientes temáticos ou proporcionar experiências imersivas aos clientes. 

Por exemplo, em um restaurante ou padaria, é possível projetar imagens de pratos e bebidas em mesas, permitindo que os clientes visualizem os produtos antes de realizar o pedido. 

A projeção mapeada também pode ser usada para criar ambientes temáticos e personalizados, melhorando a experiência do cliente no PDV.

Para inspirar, deixamos a seguir um exemplo de projeção mapeada que fizemos para a ABYAT: 

(+) BÔNUS: Sensores no ponto de venda (PDV)

Os sensores no PDV são dispositivos tecnológicos que coletam informações sobre o comportamento e preferências dos clientes no ponto de venda. 

Esses dados são úteis para entender melhor o público, personalizar ações promocionais e aprimorar o atendimento.

Um exemplo de plataforma de utiliza sensores no PDV é o Granometrics.io, desenvolvido pela Alice Wonders. 

Essa plataforma multissensor permite mapear o comportamento dos consumidores no PDV e gerar dados e insights poderosos para a tomada de decisão. 

Com o Granometrics, você pode:

  • Aumentar a economia e eficiência da equipe de vendas;
  • Conectar o fluxo da loja física ao online;
  • Aprimorar o visual merchandising baseado em dados;
  • Reposicionar produtos para impulsionar vendas;
  • Antecipar demanda;
  • Prever ruptura de gôndola;
  • E muito mais!

Com o Granometrics.io, você obtém um mapa granular da loja física, medindo o interesse, impacto e volume de fluxo nas áreas de cobertura de cada sensor.

Além disso, a solução é de baixo custo, com sensores IoT acessíveis, conexão 4G inclusa e sensores sem fio. É um sistema plug-and-play de fácil instalação e que não requer mudanças na infraestrutura da loja.

Com base nessas informações, é possível ajustar a estratégia de vendas, aprimorar a experiência do cliente e aumentar a eficiência do ponto de venda.

Por fim, as tecnologias apresentadas neste artigo podem ajudar a criar experiências mais convenientes, ágeis e personalizadas no varejo alimentar.

Ao adotar soluções como self-checkout, holografia de gôndola, scan-and-show, store-in-store, vending machines e projeção mapeada, é possível atrair e fidelizar clientes, destacando-se da concorrência. 

Além disso, a dica bônus de utilizar sensores no PDV oferece uma oportunidade de melhorar ainda mais a experiência do cliente, baseando-se em dados e insights gerados a partir do comportamento do consumidor.

 

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba no seu email todas as novidades do nosso blog sobre tecnologia e varejo, além de ficar por dentro do novos projetos Alice Wonders.

Thank you for subscribing.

Something went wrong.

Most Popular Topics

Editor Picks

Send this to a friend