Saiba como implementar uma cultura de inovação na sua empresa 1 1935

Pessoas conversando e pensando em inovações

Implementar uma cultura de inovação pode trazer muitos resultados, visto que essa iniciativa aproveita melhor o potencial dos colaboradores e abre espaço para novas ideias, fazendo com que a empresa se destaque mais facilmente no mercado.

Mas para entender como é possível implementar esse conceito é preciso, antes de tudo, entender o que ele realmente significa. Chamamos de cultura de inovação a determinação que os negócios e seus agentes têm de surgir com novas ideias ou com novas aplicações para as que já existem, mas que jamais foram testadas em um nicho de mercado ou em uma escala em particular.

Cultura de inovação, portanto, não é o espaço no qual se destacam apenas as mentes mais brilhantes — ela pode ser fomentada em todas as empresas e trazer benefícios para todos os formatos de negócios.

Neste texto, você vai entender melhor o que é preciso para implementar uma cultura de inovação em um negócio, quais são as vantagens de se investir nesse conceito e como fazê-lo. Confira!

O que é preciso para implementar uma cultura de inovação?

O primeiro passo para implementar uma cultura de inovação é entender melhor a natureza do negócio. É apenas na posse desse conhecimento que os parceiros ou os funcionários poderão começar a trabalhar esse conceito.

São os insights obtidos na fase de descoberta que permitem que sejam construídas mudanças e determinadas oportunidades de inovação. Informações mais detalhadas sobre o mercado, os clientes, a concorrência e a forma de trabalhar do negócio são fundamentais para que aconteça essa mudança de paradigma.

Quais são as vantagens da cultura de inovação?

Há muitos benefícios ao se incentivar uma cultura de inovação. Mas quem colhe os frutos dessa mudança: os clientes, os funcionários ou a empresa? Podemos dizer que, em se tratando de uma implementação adequada, todos verão vantagem na sua adoção.

A cultura de inovação tende a melhorar o relacionamento que o cliente tem com o negócio. Ou seja, ela começa criando valor para o consumidor e desafiando a concorrência a inovar também. Isso faz com que seja melhor adquirir produtos em um determinado nicho de mercado, pois as chances de se comprar um bem de alto valor ficam muito maiores.

Em segundo lugar, ela enriquece as interações entre os membros da equipe. Ela dá a eles mais liberdade para compartilharem suas ideias e faz com que se sintam motivados e instigados no trabalho que realizam todos os dias.

Por último, a cultura de inovação é positiva para a empresa porque aquele valor agregado que o cliente encontra nos produtos se reflete no preço deles nas prateleiras. Além disso, os gestores podem esperar um ambiente de trabalho menos estressante, já que eles não serão os únicos responsáveis por ter novas ideias.

Listamos abaixo três outras vantagens:

Resolver problemas complexos

Todas as empresas têm aqueles desafios que as acompanham por muito tempo — são eles que fazem com que seja necessário o trabalho constante na otimização dos processos e das operações. Porém, com uma cultura de inovação é mais fácil resolvê-los.

A partir do momento em que o time deixa de se preocupar com oferecer qualquer solução e passa a pensar fora da caixa, as chances de alcançar uma alternativa criativa aumentam.

Aumentar a produtividade do negócio

A cultura de inovação também faz bem para a produtividade dos negócios. Afinal, ela aponta novos processos e mudanças que podem reduzir significativamente o esforço dos funcionários. Criar e testar novas ideias é o único caminho para esse tipo de melhoria em longo prazo.

Vencer a concorrência com inovação

Por último, não há melhor motivo para investir em cultura de inovação senão a possibilidade de vencer os concorrentes. Clientes tendem a preferir negócios que entregam produtos melhores, com uma boa relação de custo-benefício e um serviço de excelência. A inovação pode ajudá-lo em todos esses aspectos.

Como implementar a cultura de inovação?

Implementá-la fica mais fácil quando você é introduzido às principais ferramentas utilizadas para se inovar. Hoje, temos três delas como principais: olhar para o negócio como um empreendedor, contar com a ajuda de parceiros criativos e não ter medo das mudanças.

Explicamos, a seguir, como cada uma dessas ferramentas pode ajudar.

1. Olhe para o negócio como empreendedor

É comum pensar que a cultura de inovação só tem potencial para afetar a vida dos funcionários. Mas é apenas olhando para o negócio como empreendedor que ela poderá ser implementada, e isso deve acontecer desde a gerência até as áreas menores da companhia.

Se cada profissional olhar para aquilo que faz como se fosse um elo independente do negócio, ficará mais fácil assumir responsabilidades. Isso favorece a geração de ideias avançadas, agressivas e diferenciadas.

2. Conte com parceiros criativos

Na inovação, como em outros aspectos dos negócios, não é preciso fazer tudo sozinho. Há especialistas no mercado cuja única função é ajudar as empresas a se tornarem mais inovadoras — contar com a ajuda deles é uma boa ideia.

Há muitas companhias e gestores que não estão habituados à inovação, portanto, precisam de um empurrãozinho externo para fazê-la. Parceiros criativos e especializados podem trazer soluções inovadoras para todos os tipos de negócios.

3. Não tenha medo de mudanças

Finalmente, não há como implementar uma cultura de inovação tendo medo das mudanças que vêm por aí. Todas elas só serão feitas se puderem trazer conhecimento e agregar valor ao negócio no futuro. Mas, ainda assim, elas podem aparecer como um desafio para aqueles gestores mais tradicionais.

Portanto, é preciso mudar a maneira como você visualiza os aspectos do negócio e os pontos específicos da rotina de trabalho. Dar início à adoção de uma cultura de inovação sem aprender antes a lidar com a mudança pode fazer com que o processo seja muito mais difícil.

A cultura de inovação não é algo que se resume a como os funcionários vão trabalhar a partir de agora. Ela é muito mais eficiente quando os profissionais que ocupam posições gerenciais também a adotam. Por isso, podemos dizer que ela é uma mudança de paradigma, acima de tudo.

Uma das certezas que temos é que o futuro está cheio de mudanças. E elas serão cada vez maiores e mais frequentes. Inovação é também aprender coisas novas e acostumar-se a lidar com as transições que acarretam.

Sabendo se beneficiar dela, a cultura de inovação pode ser o que faltava para que a sua empresa seja um sucesso.

Gostou de aprender mais sobre a cultura de inovação? Converse agora mesmo com um dos nossos especialistas e descubra como implementá-la em seu negócio!

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba no seu email todas as novidades do nosso blog sobre tecnologia e varejo, além de ficar por dentro do novos projetos Alice Wonders.

Thank you for subscribing.

Something went wrong.

Previous ArticleNext Article

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Varejo alimentar: 06 dicas de experiências para o seu PDV (+ 1 bônus) 0 304

No varejo, principalmente no segmento alimentício, a concorrência é acirrada e a busca por atrair e fidelizar clientes é constante. 

Para se destacar, é essencial oferecer experiências convenientes, ágeis e personalizadas. 

A tecnologia tem sido uma aliada na geração de experiências de autoatendimento, personalização e interatividade no PDV, aumentando as vendas e a satisfação dos consumidores. 

A seguir, apresentamos 6 exemplos de tecnologias que podem ser aplicadas no seu PDV de varejo alimentar, além de uma dica bônus.

1. Self-checkout

Os terminais de self-checkout são sistemas de autoatendimento onde os próprios clientes registram e pagam pelos produtos. 

Essa tecnologia agiliza o processo de compra, reduz filas e proporciona maior autonomia e satisfação ao cliente. 

Além disso, o self-checkout ajuda a otimizar a gestão de funcionários e a reduzir custos operacionais.

Um exemplo de sucesso na implementação do self-checkout é a rede de supermercados Pão de Açúcar, que introduziu essa tecnologia em suas lojas para melhorar a experiência de compra dos clientes e aumentar a eficiência operacional.

Nas lojas do Pão de Açúcar com self-checkout, os clientes podem escolher entre o atendimento tradicional no caixa ou optar pelo autoatendimento. 

Ao escolherem a opção de self-checkout, os clientes escaneiam os produtos, pesam os itens que necessitam, empacotam-nos e realizam o pagamento por meio de cartões de crédito, débito ou aplicativos de pagamento, sem a necessidade de interagir com um funcionário.

A implementação do self-checkout nessas lojas trouxe diversos benefícios, como:

  1. Redução das filas e do tempo de espera, proporcionando maior comodidade aos clientes;
  2. Maior autonomia para os consumidores, que passaram a ter mais controle sobre o processo de compra;
  3. Otimização do trabalho dos funcionários, que podem ser realocados para outras funções, como atendimento ao cliente e reposição de produtos;
  4. Redução de custos operacionais, já que a necessidade de contratação de caixas é diminuída.

Com a crescente demanda por agilidade e autonomia no varejo, o self-checkout se apresenta como uma solução eficiente para melhorar a experiência de compra e aumentar a competitividade no mercado.

2. Holografia de Gôndola

A holografia de gôndola permite a projeção de imagens tridimensionais de produtos e ofertas nas prateleiras. 

Essas projeções realistas chamam a atenção dos clientes e destacam lançamentos ou itens em promoção, incentivando a compra. 

A tecnologia também pode ser utilizada para criar experiências imersivas e diferenciadas no ponto de venda.

Um grande marca do varejo alimentar que já aposta em holografias de gôndola é a Coca-Cola

A marca incorporou essa tecnologia em diversas redes varejistas para atrair a atenção dos clientes e aumentar o interesse em produtos específicos.

Nas gôndolas equipadas com holografia, os clientes podem ver projeções 3D realistas de produtos, além de itens promocionais.

Essas projeções são exibidas de forma dinâmica e chamativa, destacando os itens em oferta e proporcionando uma experiência de compra única e inovadora.

3. Scan-and-show

O scan-and-show é um sistema que utiliza scanners ou aplicativos de smartphone para ler códigos de barras ou QR codes dos produtos. 

Ao escanear, os clientes têm acesso a informações detalhadas do produto, como ingredientes, informações nutricionais e promoções. 

Isso aumenta a interatividade e confiança do consumidor, além de facilitar a comparação de produtos e a tomada de decisão de compra.

A rede Pão de Açúcar é uma das que já possui um sistema de Scan-and-show.

Por meio do aplicativo, os clientes podem escanear os códigos de barras ou QR codes dos produtos nas prateleiras das lojas, obtendo acesso a informações detalhadas, como ingredientes, informações nutricionais, alergênicos e promoções. 

Além disso, o aplicativo também permite criar listas de compras, verificar o histórico de compras e acumular pontos no programa de fidelidade da rede.

4. Store-in-Store

A estratégia de store-in-store consiste em criar, dentro de um estabelecimento maior, espaços exclusivos dentro para marcas parceiras ou produtos específicos. 

Esses espaços são projetados para destacar e valorizar os itens, atraindo a atenção dos consumidores e gerando maior interesse. 

Mais que isso, o Store-in-Store pode ser uma forma de oferecer experiências personalizadas e exclusivas aos clientes, fortalecendo a relação entre marcas e consumidores.

Veja esse exemplo que fizemos para a Nestlé:

5. Vending Machine

As Vending Machines são máquinas automáticas de venda que disponibilizam produtos selecionados, como lanches, bebidas e itens de conveniência. 

Você com certeza já viu alguma no metrô ou em algum aeroporto.

Essas máquinas oferecem comodidade aos clientes, que podem comprar produtos rapidamente e sem a necessidade de interação com funcionários. 

Além disso, as Vending Machines podem ser posicionadas em áreas estratégicas do PDV, facilitando o acesso e incentivando as compras por impulso.

Mas, nosso ponto aqui é sobre a oportunidade de transformar essas Vending Machines em Pontos de Experiência (PDX).

Você pode aproveitar a própria máquina para investir em publicidade diferenciada que se aproxima do consumidor. 

Veja um exemplo que fizemos com a Ambev:

6. Projeção mapeada em mesas, balcões, superfícies

A projeção mapeada é uma técnica que utiliza projetores para criar imagens e animações interativas em superfícies como mesas, balcões e paredes. 

Essas projeções podem ser usadas para exibir informações sobre produtos, criar ambientes temáticos ou proporcionar experiências imersivas aos clientes. 

Por exemplo, em um restaurante ou padaria, é possível projetar imagens de pratos e bebidas em mesas, permitindo que os clientes visualizem os produtos antes de realizar o pedido. 

A projeção mapeada também pode ser usada para criar ambientes temáticos e personalizados, melhorando a experiência do cliente no PDV.

Para inspirar, deixamos a seguir um exemplo de projeção mapeada que fizemos para a ABYAT: 

(+) BÔNUS: Sensores no ponto de venda (PDV)

Os sensores no PDV são dispositivos tecnológicos que coletam informações sobre o comportamento e preferências dos clientes no ponto de venda. 

Esses dados são úteis para entender melhor o público, personalizar ações promocionais e aprimorar o atendimento.

Um exemplo de plataforma de utiliza sensores no PDV é o Granometrics.io, desenvolvido pela Alice Wonders. 

Essa plataforma multissensor permite mapear o comportamento dos consumidores no PDV e gerar dados e insights poderosos para a tomada de decisão. 

Com o Granometrics, você pode:

  • Aumentar a economia e eficiência da equipe de vendas;
  • Conectar o fluxo da loja física ao online;
  • Aprimorar o visual merchandising baseado em dados;
  • Reposicionar produtos para impulsionar vendas;
  • Antecipar demanda;
  • Prever ruptura de gôndola;
  • E muito mais!

Com o Granometrics.io, você obtém um mapa granular da loja física, medindo o interesse, impacto e volume de fluxo nas áreas de cobertura de cada sensor.

Além disso, a solução é de baixo custo, com sensores IoT acessíveis, conexão 4G inclusa e sensores sem fio. É um sistema plug-and-play de fácil instalação e que não requer mudanças na infraestrutura da loja.

Com base nessas informações, é possível ajustar a estratégia de vendas, aprimorar a experiência do cliente e aumentar a eficiência do ponto de venda.

Por fim, as tecnologias apresentadas neste artigo podem ajudar a criar experiências mais convenientes, ágeis e personalizadas no varejo alimentar.

Ao adotar soluções como self-checkout, holografia de gôndola, scan-and-show, store-in-store, vending machines e projeção mapeada, é possível atrair e fidelizar clientes, destacando-se da concorrência. 

Além disso, a dica bônus de utilizar sensores no PDV oferece uma oportunidade de melhorar ainda mais a experiência do cliente, baseando-se em dados e insights gerados a partir do comportamento do consumidor.

 

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba no seu email todas as novidades do nosso blog sobre tecnologia e varejo, além de ficar por dentro do novos projetos Alice Wonders.

Thank you for subscribing.

Something went wrong.

Smart Retail: Transformando lojas físicas em espaços inteligentes 0 552

Lojas físicas têm sido um elemento fundamental da experiência de compras há décadas, mas o crescimento do comércio eletrônico trouxe uma mudança significativa no comportamento do consumidor. Para permanecer competitivos, as lojas tradicionais precisaram se adaptar e abraçar as últimas tecnologias para oferecer aos clientes uma experiência de compras mais suave e agradável. É aqui que entra o Smart Retail.

O Smart Retail, também conhecido como comércio inteligente, refere-se à integração de tecnologias de ponta em lojas físicas. Isso inclui o uso de sensores, inteligência artificial e outras ferramentas digitais para melhorar a experiência de compras para os clientes. Desde o momento em que os clientes entram em uma loja, eles são recebidos por um ambiente de Smart Retail que lhes fornece informações em tempo real, recomendações personalizadas e um processo de checkout mais eficiente.

Uma das mudanças mais notáveis em lojas de Smart Retail é o uso de sensores. Esses sensores rastreiam o comportamento e as preferências dos clientes, permitindo aos varejistas personalizar sua experiência de compras de acordo. Por exemplo, se um cliente frequentemente compra um determinado produto, eles podem receber recomendações personalizadas com base em suas compras anteriores. Esse tipo de personalização ajuda a construir uma relação mais significativa entre o cliente e a loja, o que leva a um aumento da lealdade do cliente.

Outro aspecto do Smart Retail é o uso da inteligência artificial (IA) para automatizar e simplificar vários processos. Por exemplo, a IA pode ser usada para prever a demanda dos clientes, gerenciar o estoque e até mesmo auxiliar com vendas e marketing. Isso leva a uma operação de varejo mais eficiente e eficaz, permitindo que os varejistas se concentrem em fornecer a melhor experiência possível para o cliente.

O Smart Retail também aproveita os últimos avanços na tecnologia móvel. Os clientes podem usar seus smartphones para acessar informações da loja, visualizar detalhes dos produtos e fazer compras diretamente de seus dispositivos. Isso fornece uma experiência de compra mais conveniente e imersiva, permitindo aos clientes se envolver com a loja de maneiras novas e empolgantes.

Em resumo, o Smart Retail representa uma grande mudança no setor de varejo, oferecendo uma experiência de compra mais personalizada e eficiente para os clientes. Com a integração de novas tecnologias, as lojas físicas estão se tornando mais inteligentes e adaptáveis, tornando-se uma opção mais atraente para clientes que valorizam uma experiência de compra prática. Os varejistas que adotam o varejo inteligente estarão bem posicionados para competir no cenário de varejo em rápida evolução.

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba no seu email todas as novidades do nosso blog sobre tecnologia e varejo, além de ficar por dentro do novos projetos Alice Wonders.

Thank you for subscribing.

Something went wrong.

Most Popular Topics

Editor Picks

Send this to a friend