O que explica o crescimento dos atacarejos? 1 3684

imagem do ponto de venda

O termo atacarejo é uma referência a um novo modelo de negócios que tem ganhado bastante espaço no mercado. Consiste em unificar características das duas formas de comercialização mais conhecidas: o atacado e o varejo.

As mudanças pelas quais os modelos tradicionais de vendas passaram no decorrer das últimas décadas em função do comportamento do consumidor moderno — entre muitos outros fatores políticos e socioeconômicos — contribuíram diretamente para o surgimento do atacarejo no Brasil.

Hoje, esse é o setor que mais cresce em nosso país. Com mais de 500 estabelecimentos espalhados por todo o país, um faturamento que ultrapassa a casa dos R$ 80 bilhões e mais de 75 mil empregos diretos gerados, o atacarejo é uma tendência que favorece tanto o consumidor quanto o empreendedor. Acompanhe a leitura do artigo para saber mais sobre o assunto!

Qual é a origem do conceito e como funciona?

Em 1964, após abrir a sua primeira loja de Cash and Carry, na cidade de Mulheim, Alemanha, o professor Otto Beisheim deu origem ao conceito de unificar estrategicamente características dos dois modelos de mercado mais tradicionais da história que, futuramente, viria a ser conhecido pelo termo atacarejo.

A ideia inicial era bem simples: fazer com que o consumidor tivesse a liberdade de escolher o produto na prateleira e levá-lo para casa sem precisar da intermediação de vendedores e, dessa forma, garantir um preço abaixo do praticado em estabelecimentos tradicionais.

O atacarejo tem foco nos preços baixos, aspecto típico do atacado, mas serviços com formato semelhante aos do varejo. Nesse modelo de negócios, o que compensa os preços baixos é o alto volume de vendas, assim como reunir o ponto de distribuição e o ponto de venda no mesmo ambiente.

Quais os aspectos mais marcantes nos modelos de negócios atacado e varejo?

As duas características mais marcantes do atacado é a venda de produtos em grandes quantidades e os preços mais baixos do que o mercado comum, correto?

E um aspecto está ligado ao outro. Ou seja, para usufruir dos descontos, é preciso adquirir um grande volume de mercadorias. Por isso, é muito comum que a maior parte dos clientes desse segmento seja composta por empresários, lojistas e comerciantes.

Já o varejo é conhecido por vender diretamente ao consumidor final. O grande número de pequenos “mercadinhos” presente em qualquer região do país demonstra uma forte preferência do público-alvo por esse formato.

Diferentemente do atacado, o ponto mais marcante nas compras no varejo é que elas são feitas em menor volume e, portanto, há uma grande diferença de preço quando comparadas ao atacado.

Quais as diferenças do atacarejo em relação aos supermercados tradicionais?

Agora que sua memória sobre como funcionam os estabelecimentos atacadistas e varejistas está bem afiada, mostraremos em quais pontos o atacarejo se apresenta um modelo singular.

Preços baixos

Como já foi dito, o atacarejo se caracteriza fortemente pelos preços baixos (atacado), mas com uma estrutura mais enxuta (varejo), o que permite que uma série de custos sejam reduzidos, como com funcionários para intermediar o processo de compra.

Alto volume de vendas

O que sustenta os preços baixos nesse modelo de negócios é o alto volume de vendas, que tem o potencial de lucro focado no ticket-médio por compra.

Sortimento menor

Por focar na quantidade, no atacarejo os estabelecimentos realizam a negociação em grandes lotes, facilitando a baixa nos preços, mas o que acaba dificultando um pouco o fator variedade de produtos.

Quais estratégias ele utiliza?

Por ser uma modalidade com vendas tão aquecidas, é fácil entendermos o principal motivo pelo qual a modalidade segue como o centro das estratégias de expansão das maiores redes varejistas do Brasil.

O Carrefour, por exemplo, comprou o Atacadão em 2007 por US$ 1,1 bilhão, assim como a rede Maxxi, hoje, pertence ao Walmart. Da mesma forma como o Pão de Açúcar é dono do Assaí e investiu mais de R$ 1 billhão, nos últimos anos, para ampliar o potencial de sua rede.

O que queremos dizer é que, perante fatores externos, como o orçamento apertado por conta da crise econômica e a alta taxa de inflação, cada vez mais o formato atacarejo se mostra como a alternativa do futuro.

A tendência é que o atacarejo continue a ganhar força, enquanto cada vez mais estabelecimentos que ainda seguem o formato de hipermercado estão migrando para o modelo inovador. Mas ainda é cedo para fazermos qualquer afirmação.

Quais as vantagens desse modelo para empresas e o consumidor?

De um lado, o consumidor final é atraído pelos baixos preços e a economia que pode usufruir em suas compras. Já as empresas — quando há uma estratégia bem-desenvolvida — podem contar com um modelo consistente funcional, altamente lucrativo e que se divulga por conta própria.

Como foi mencionado diversas vezes ao longo deste conteúdo, os preços baixos são os maiores responsáveis pelo crescimento do setor no Brasil, principalmente diante de um cenário econômico e político inédito, como o que vivemos no momento.

Em tempos de alto índice de desemprego, mudanças que geram uma sensação geral de instabilidade financeira na população — como a Reforma da Previdência e o novo governo —, economizar não é um mero capricho, mas uma prioridade para as famílias brasileiras, em especial aquelas que pertencem às classes A e B.

No entanto, é fundamental entender que mesmo com preços atrativos, existem pontos que precisam ser revistos por gestores do atacarejo, como a desorganização e a falta de planejamento para atender ao público-alvo de acordo com suas necessidades.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Quorum Brasil, aspectos como iluminação, limpeza e frutas de má qualidade integram a lista de insatisfações observadas pelo ponto de vista do consumidor.

Ao longo deste conteúdo, mostramos uma série de informações que apresentam fortes indícios que justificam o crescimento dos atacarejos. Existem diversos fatores políticos, socioeconômicos e comportamentais — no que se diz respeito às mudanças no perfil de consumo das pessoas — que têm contribuído direta e indiretamente com o crescimento do formato de negócios atacarejo.

É um modelo de mercado que gera vantagens tanto para o cliente final quanto para os donos de estabelecimentos, tornando-o lucrativo, funcional e autossuficiente.

O conteúdo sobre o que é atacarejo e por que esse modelo de negócios tem crescido no mercado foi útil para você? Então siga nosso InstagramLinkedInTwitter e Facebook para receber mais conteúdos como este todas as semanas!

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba no seu email todas as novidades do nosso blog sobre tecnologia e varejo, além de ficar por dentro do novos projetos Alice Wonders.

Thank you for subscribing.

Something went wrong.

Previous ArticleNext Article

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Flagship KitKat Chocolatory 0 549

Flagship KitKat Chocolatory

A primeira KitKat Chocolatory flagship na América Latina

Convidados pela Nestlé, realizamos um case de sucesso através do projeto da loja KitKat Chocolatory. Localizada no Shopping Morumbi, em São Paulo, a loja é uma tendência de mercado (Direct to Consumer), colocando o Brasil à frente em tecnologia e inovação no varejo e PDV, que além de experiências únicas também oferece produtos exclusivos que só são vendidos lá. 

Foram, aproximadamente, oito meses de processo entre planejamento, desenvolvimento de tecnologias até a sua inauguração. Trabalhamos em parceria com o líder de projeto FITCH, uma consultoria global de design, para ativar vários pontos de contato digitais em toda a experiência principal.

Cocoa Plan

Nosso projeto inicial foi a criação da parede capacitiva, com o objetivo de levar informação sobre o projeto Cocoa Plan, através de experiência digital interativa. A parede capacitiva permite que as pessoas conheçam o programa através de conteúdos interativos.

Parede capacitiva dentro da flagship KitKat Chocolatory
Parede capacitiva sobre o Cocoa Plan, dentro da flagship KitKat Chocolatory.

Content Wall

A nossa content wall mostra, por uma tela de 32:9 em 4K, todo o conteúdo das contas oficiais da KitKat no Instagram. Como as redes sociais fazem parte da vida real das pessoas e das marcas, usamos esta estratégia para o PDV, incluindo como um projeto de interação e conteúdo para o público.

Content Wall da flagship KitKat Chocolatory,
Content Wall da flagship KitKat Chocolatory, desenvolvido por Alice Wonders.

“O layout foi desenvolvido de acordo com a identidade visual da loja e a implementação de um aplicativo que mostra em tempo real o conteúdo que está nos perfis oficiais do Instagram. Atualizou o feed, atualizou a Content Wall automaticamente”, explica a nossa Arquiteta e Gerente de Projetos, Emilly Cirilo. 

Cardápio digital

O cardápio digital de cafés é mais um projeto de nossa autoria, feito exclusivamente para a loja. Uma das vantagens desse produto é a criação de vídeos para o cliente visualizar melhor as opções do menu. Além de ser sustentável, gera automaticamente o pedido feito pelo cliente e envia para o balcão. 

Cardápio Digital da cafeteria da flagship KitKat Chocolatory
Cardápio Digital da cafeteria da flagship KitKat Chocolatory, desenvolvido por Alice Wonders.

Touch points

A consultoria global de design FITCH liderou o principal conceito estético e digital e, juntos, trabalhamos em equipe para implementar vários pontos de contato em toda a loja. Em outras palavras, a FITCH criou os projetos de touchpoints e liderou o desenvolvimento de software, e Alice Wonders integrou a infraestrutura de rede e os cabos.

“Foi preciso montar uma infraestrutura de rede em nosso escritório para recriar o ambiente final da loja com máquinas, sensores e experiências, antes de implantar direto na loja. O que permitiu detectarmos falhas durante o processo e fazer ajustes prévios, sem correr riscos”, explica Eric Winck, Co-founder e co-CEO de Alice Wonders.

Touch points da flagship KitKat Chocolatory
“Estação Encontre Seu Sabor”, desenvolvida pela FITCH

Segundo Eric, é fundamental manter vivas as experiências digitais no PDV através de revisões semanais do hardware e software, bem como ajustar e melhorar os conteúdos. Como por exemplo, o conteúdo vivo do Content Wall. “Estas revisões mantém a ‘saúde’ digital e podem antecipar erros e problemas sem downtime das experiências na loja”. 

“A KitKat Chocolatory foi projetada para a experiência do consumidor. E não é apenas experiência de compra, e sim a experiência de envolver o cliente para que ele tenha vontade de voltar depois. Para marcar na memória e deixar aquela lembrança agradável”, conclui Alexandre Valdivia, Co-founder e co-CEO de Alice Wonders. 

Gostou? Clique aqui e confira nossos outros cases.

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba no seu email todas as novidades do nosso blog sobre tecnologia e varejo, além de ficar por dentro do novos projetos Alice Wonders.

Thank you for subscribing.

Something went wrong.

Como um ambiente interfere na experiência do cliente 0 990

O relacionamento com os clientes tem crescido cada vez mais, isso porque, as marcas entenderam que cuidar de quem compra, é tê-lo comprando sempre e mais do que isso, indicando o seu negócio.

Mas além disso, o consumidor também está mudado. Ele sabe que no mercado existem diversos lugares que proporcionam o mesmo produto ou serviço, portanto, escolhe pelo que mais lhe agrada e apresenta benefícios.

O que é a experiência?

Em primeiro lugar, é importante saber o que é a experiência de compra do cliente. Trata-se da assimilação que o cliente faz com o ambiente enquanto está nele realizando suas compras.

Não se trata somente de produtos ou serviços. Geralmente, envolve elementos físicos e emocionais, podendo ser eles positivos ou então negativos.

Os momentos de cativo, de simpatia, de alegria e também bem-estar precisam fazer parte do ambiente para que de fato, a experiência do cliente possa ser considerada boa.

Um case interessante de experiência do cliente foi o da Intel para o hipermercado Extra, em que um espaço interativo para conhecer e poder experimentar os computadores da marca, de modo que o cliente conseguisse escolher o modelo que mais combinasse com a sua realidade.

Quando ideias como essa são pensadas a fim de proporcionar ao cliente algo inovador e que ele nunca parou para pensar, é o que de fato o conquista.

O ambiente físico

Começando pelo local. Quando se trata de uma loja física, os clientes quando escolhem ir para comprar algum produto ao invés de realizar a compra pela internet, é porque de fato gostam do ambiente.

O primeiro contato é o que fica, por isso o consumidor volta. Portanto, se a sua loja é agradável, proporciona os elementos necessários que o cliente pode precisam enquanto está ali, como água, cadeiras, petiscos, entre outros, as chances dele voltar são grandes.

A comunicação visual do ambiente precisa conversar entre si, além do mais, os aspectos estéticos de decoração e também os funcionais são sempre analisados pelos clientes. Móveis, iluminação, os próprios produtos, tudo faz parte.

Um outro ponto interessante tem relação com a música. Não é a toa que elas estão nos ambientes de compra. Geralmente são pensadas para agradar o cliente, mas é preciso entender quem ele é e o que provavelmente escuta.

O ambiente digital

Mas quando falamos sobre ambientes digitais, também é preciso atenção. O próprio cenário digital já proporciona ao cliente uma experiência de compra diferenciada.

Pense em uma empresa que faz a venda online de máquina de solda. Se o cliente tem todas as informações sobre a máquina à disposição, além de dicas de instalação, além dos contatos necessários em caso de dúvidas, ele não vai ter preocupações em comprar.

O processo de agilidade é um dos pontos que faz com que o ambiente seja admirado pelo cliente, além de lugares seguros, de fácil navegação e com um design bonito e convidativo.

Sintonia dos ambientes

A diferença de experiência que cada um proporciona é muito importante, mas fazer com que eles trabalhem em sintonia é o ponto chave.

A empresa que conta com um ambiente físico e um digital, precisa harmonizar os atendimentos, os designs e toda comunicação.

Se uma estação de tratamento de água conta com um site bem instruído, com valores, locais de atuação, tipos de serviço, horários de atendimento, entre outros, precisa que todas essas informações também estejam presentes com os funcionários no espaço físico.

O cliente que precisa desse tipo de processo, vai assimilar os dois ambientes e consegue sentir segurança e verdade. Bom atendimento físico e bom atendimento online.

O encantamento do consumidor

Quando se aposta em ações que de fato toquem o cliente, os resultados são certeiros e na grande maioria das vezes positivo.

Sanar dúvidas, conhecer as necessidades das pessoas que busca pelos produtos ou serviços, prestar um bom atendimento, são questões que os fazem o cliente se aproximar cada vez mais.

Por isso, se você tem um negócio, seja ele do segmento que for, desde os mais comuns como roupas, alimentos, máquinas, ou até os mais diferentes, como venda ou aluguel de tendas para eventos, passeio com cães, entre outros, preste o melhor atendimento.

A experiência do seu cliente, faz a diferença no seu negócio e mostra que o crescimento de uma marca se dá através dos detalhes identificados, transformados e colocados em prática.

Esse artigo foi escrito por Fernanda Silva, Criadora de Conteúdo do Soluções Industriais.

 

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba no seu email todas as novidades do nosso blog sobre tecnologia e varejo, além de ficar por dentro do novos projetos Alice Wonders.

Thank you for subscribing.

Something went wrong.

Most Popular Topics

Editor Picks

Send this to a friend