O Direct to Consumer em crescimento entre as grandes marcas 0 180

Direct to Consumer

 

A estratégia DTC está aumentando cada vez mais e transformando as formas de relacionamento com o consumidor final

Em um cenário onde temos um “novo consumidor” em ascensão, com perfil mais exigente, o DTC (Direct To Consumer) entrega experiências personalizadas e únicas, para aproximar e fidelizar esse público. Um dos objetivos é fazer o processo de compra ser parte da experiência do usuário, gerando o seu engajamento.

O que motivou as indústrias a adotarem o varejo direto? Listamos abaixo, cinco objetivos mais relevantes: 

 1. Fortalecer a imagem da empresa e construção da marca

As marcas que usam o DTC priorizam o marketing, o nome da marca e a experiência direta com o consumidor. Além disso, as redes sociais também contribuíram para aproximar o público com interação direta, promoções, engajamento e geração de dados.

 2. Promover experiência diferenciada ao cliente

Quando uma marca possui um PDV próprio, ela tem maior autonomia para criar ações em espaços físicos. As interações e experiências digitais atraem o público de forma diferenciada, despertam o interesse pela marca, produtos e geram vendas mais humanizadas. Como a nossa ação para a Colgate, feita em parceira com a Get2Market, responsável pela criação do projeto e a Creative Display pela fabricação. Levamos a nossa tecnologia a mais de 32 unidades distribuídas em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Recife, Salvador, Curitiba e Manaus. Através do Lift & Learn, as pessoas puderam retirar os produtos do glorifier, acionando o conteúdo no display e desfrutar da animação customizada de leds, além de aprender dicas da dentista pelo cubo holográfico.

Store in store Colgate, por Alice Wonders
Store in store Colgate, no supermercado Extra, no Morumbi em São Paulo.

3. Portfólio mais amplo e completo 

Uma marca que tem o seu próprio espaço, e-commerce ou loja física, até pop-up stores, consegue mostrar todos os seus produtos disponíveis, além de oferecer produtos exclusivos, o que é uma grande estratégia. Assim, os pontos de revenda não entram em concorrência direta com os PDVS da marca. Recentemente, fomos convidados pela Nestlé, e desenvolvemos experiências digitais para a nova flagship Kit Kat Chocolatory. Na loja interativa, o consumidor encontra todos os novos sabores e tamanhos diferentes de Kit Kat. 

Loja Kit Kat Chocolatory, Alice Wonders
Loja Kit Kat Chocolatory, a primeira no mundo. Fica no Shopping Morumbi, em São Paulo.

4. Coletar dados dos consumidores

Hoje, as marcas possuem várias formas de entrar em contato direto com o consumidor para coletar dados: através do e-commerce, redes sociais, mídias off. Já a coleta de dados em pontos físicos ainda soa como novidade. Através da implantação de BI (Business Intelligence) nas lojas físicas pode ser construída uma ótima estratégia para vendas. Em um evento, Consumer Breakfast, a Intel apresentou um projeto Alice Wonders como novo modelo de venda para o varejo de laptop. Como resultados, conseguimos coletar dados que mostram ticket médio, número de interações, fluxo e qual modelo de laptop combina mais com as necessidades de cada consumidor, de forma personalizada.

Store in store Intel por Alice Wonders
Store-in-store Intel, no supermercado Extra.

5. Maior independência de outros canais de vendas

As marcas estão buscando cada vez menos dependência de pontos de revenda. Embora, não significa que irão abandonar o relacionamento com os canais já existentes. Marcas como Granado, Havaianas, Swift, Garoto, Nestlé, P&G, Adidas e Nike são alguns exemplos de DTC que deram certo. 

Direct to consumer é uma das estratégias de vendas mais fortes e eficientes do mercado para as grandes marcas. E levar experiências digitais incríveis e personalizadas ao público, é a melhor retenção. Gostou? Então, veja mais sobre Experiência de compra: como as lojas estão evoluindo para encantar o consumidor. 

 

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba no seu email todas as novidades do nosso blog sobre tecnologia e varejo, além de ficar por dentro do novos projetos Alice Wonders.

Thank you for subscribing.

Something went wrong.

Previous ArticleNext Article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

A importância dos dados no varejo físico 0 130

Os dados entregam uma realidade mais próxima possível, com a finalidade de extrair informações quantitativas e qualitativas. São ferramentas capazes de formar opinião e meios importantes para a tomada de decisões mais assertivas. 

O Covid 19 chegou trazendo importantes lições para o mercado como um todo. Adaptabilidade e resiliência são características imprescindíveis para qualquer pessoa, corporação ou instituição sair mais forte das mudanças drásticas e imprevisíveis, consequências do que estamos vivendo. 

A mudança do comportamento e das necessidades das pessoas diante a essa realidade irá impactar diretamente nas configurações e aplicações do design e da arquitetura dos espaços públicos, privados, dos mobiliários, meios de transporte, etc. 

O design, como sempre, tem papel facilitador e universal para os usuários. E hoje deve ser pensando com ainda maior cuidado e atenção para minimizar os impactos de alteração da rotina de quem terá que voltar às atividades normais como trabalhar e fazer compras

Uma tendência que entendemos que continua a acontecer é a ampliação de espaços vazios aumentando distâncias entre usuários, criando barreiras físicas entre atendentes e consumidores e, consequentemente, minimizando proximidades no contato físico de todas as frentes. Projetos arquitetônicos deverão ter seus padrões mínimos repensados. Enquanto as adaptações devem ser feitas com o uso de tecnologia e automação

A maneira e frequência de como usaremos os espaços públicos e privados também tende a mudar, portanto, os espaços devem ser repensados para serem mais eficientes em menores escalas. Veja como os dados podem ajudar na missão de lidar com as novas formas de consumo e comportamento, uma vez que nos aproximamos, cada vez mais, para o cenário pós-pandemia e precisamos realizar as adaptações necessárias nos PDV’s para receber as pessoas com segurança. 

Estratégia

Os dados são a principal fonte para a estratégia. Mas antes de buscar dados e pensar em uma ação estratégica, é preciso saber qual ou quais são os seus objetivos. Levante uma lista das coisas que você precisa fazer: 

  • Melhorar o layout da loja;
  • Colocar pontos de atenção;
  • Saber quais produtos atraem mais o consumidor.

A partir dos seus objetivos, você conseguirá traçar a sua estratégia, coletando dados para definir o plano de ação que irá apontar: 

  • O melhor ponto de atenção dentro da loja para expor os principais produtos;
  • Como e onde os consumidores circulam mais dentro da loja, para melhorar o layout.

 Por meio da coleta de dados é possível observar padrões aparecendo e investir na sua estratégia. 

Sensores

Já sabemos da importância da tecnologia no PDV para auxiliar o varejo. E aqui vamos falar do uso de sensores de proximidade, que detectam movimento e podem gerar uma infinidade de dados. É basicamente uma tecnologia que faz a recepção e transmissão de sinais através de movimentos. 

Uma forma simples de utilizar os sensores para coletar dados é fazer a instalação na entrada principal das lojas, para identificar a porcentagem do fluxo de clientes versus a quantidade que efetuou a compra, de fato. E não é só isso, conseguimos muito mais! Estrategicamente, instalamos sensores em prateleiras, em mesas de exposição de produtos e até mesmo em displays holográficos de gôndola. Para obter dados reais, conseguimos combinar o medidor de fluxo da entrada com os sensores de métrica colocados nas mesas e produtos para gerar novos insights. 

É o caso da “Mesa inteligente”, projeto Alice Wonders para a Intel, onde nesse espaço o cliente pode experimentar todos os produtos disponíveis. Usando uma tela touch interativa, que apresenta perguntas sobre suas preferências e o que está precisando, e ao final indica o modelo de notebook mais adequado para você. Nesta mesa, há sensores IOT que transmitem dados sobre a proximidade e interação das pessoas com os produtos. 

Store-in-Store Intel, com mapa de calor granular e sensores IOT. (Projeto Alice Wonders)
Store-in-Store Intel, com mapa de calor granular e sensores IOT. (Projeto Alice Wonders)

Listamos abaixo o que é possível monitorar através de sensores para gerar dados em um PDV: 

  • Tempo de permanência 
  • Presença 
  • Jornada macro 
  • Horários por dia/ semana, dia/mês, datas comemorativas
  • Medir distância
  • Fluxo 

Analisar dados

Sistema proprietário de dados para gerar insights
Representação do sistema proprietário para gerar insights. Imagem meramente ilustrativa.

Os dados são fontes valiosas para a tomada de decisão. Porém, a análise de dados não é tarefa tão simples ou intuitiva, quanto parece. É preciso explorar o real potencial das informações a fim de criar soluções efetivas para um negócio de sucesso. Ou seja, para todas as suas questões, as respostas surgem em forma de dados.

Relatório que mostra o gráfico de movimento durante as horas do dia.
Relatório que mostra o gráfico de movimento durante as horas do dia.

A imagem acima apresenta a relação dos dados de um dos nossos clientes, localizado em um dos Shoppings de São Paulo, onde espera-se que o pico de movimento ocorra ao meio do dia (horário de almoço) e, também, mais no final do dia. Diferentemente do que mostram os dados do relatório, indicando o horário de pico durante às 16h. 

A grande questão é: o que extrair a partir dos dados? Os dados são capazes de indicar comportamentos para direcionar estratégias de campanhas de marketing, promoções, lançamentos de produtos. É importante combinar a experiência de BI (Business Intelligence) para gerar insights como ticket médio, nutrição da indústria 4.0 que pode produzir em maior escala os produtos que estão sendo mais consumidos e procurados nas lojas, por exemplo. 

Quer saber mais como os sensores podem gerar dados valiosos para melhorar a experiência do consumidor na sua loja? Entre em contato conosco e peça um orçamento. 

 

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba no seu email todas as novidades do nosso blog sobre tecnologia e varejo, além de ficar por dentro do novos projetos Alice Wonders.

Thank you for subscribing.

Something went wrong.

O futuro é “as a Service” 0 169

Créditos: Photo by Charles Deluvio on Unsplash; Photo by Austin Distel on Unsplash; Photo by Charles Deluvio on Unsplash

Veja o grande potencial desse modelo de negócios, como se deu seu crescimento no mercado abrangendo vários nichos e oportunidades.

A cada década que passa, as pessoas gastam mais com serviços e menos em produtos. É o que aponta a Pesquisa de Despesas Atuais realizada pelo governo dos EUA, mostrada por essa matéria do The New York Times. 

Vamos analisar a nossa realidade, hoje praticamente tudo o que pensamos em consumir, não precisa necessariamente gastar comprando um objeto ou bens duráveis ou não duráveis. Por exemplo: 

Uber: car as a service 

Ifood: food delivery as a service

Netflix: show as a service 

Spotify: music as a service 

As assinaturas de plataformas de streaming entregam entretenimento como serviço, e são pagas mensalmente. Ifood e os outros apps de alimentação por delivery, são pagos pelo produto + o serviço de entrega. Uber, é pago o valor da quilometragem da corrida feita por um motorista, o qual prestou o serviço. Mesmo abrangendo diferentes áreas do mercado, funcionam sob a mesma forma: pagamento pelo serviço. Nos últimos anos esse segmento vem crescendo e hoje, percebemos uma explosão de ofertas e oportunidades de modelos de negócios. 

Principais tipos de “as a Service”

SaaSSoftware as a Service é uma plataforma programada para entregar um tipo de serviço específico, não precisa realizar nenhuma instalação de programa em máquinas. O seu uso é apenas online e você paga por uma assinatura mensal ou anual, para ter acesso a esse serviço, que pode ser desde um plano mais simples até mais completos, com mais recursos. 

Exemplos: 

Dropbox – armazenamento na nuvem

Monday – sistema de gestão

Slack – sistema de gestão 

Os aplicativos SaaS também são conhecidos como software baseado na Web, software sob demanda e software hospedado.  O termo “software como serviço” é considerado parte da nomenclatura da computação em nuvem, juntamente com infraestrutura como serviço (IaaS), plataforma como serviço (PaaS), desktop como serviço (DaaS), software de gerenciamento como serviço (MSaaS), back-end móvel como serviço (MBaaS), data center como serviço (DCaaS) e gerenciamento de tecnologia da informação como serviço (ITMaaS).

O mercado de SaaS é muito promissor e irá alavancar ainda mais o crescimento de todos os setores de software, nos próximos anos. Em um estudo recente da Gartner, diz que 46% das organizações indicaram que os serviços de TI e a consolidação de fornecedores estavam entre as três principais abordagens de otimização de custos mais eficazes.

IaaSInfraestrutura como Serviço são serviços online que fornecem APIs de alto nível usadas para desreferenciar vários detalhes de baixo nível da infraestrutura de rede subjacente, como recursos de computação física, localização, particionamento de dados, dimensionamento, segurança, backup, etc. Os provedores de nuvem IaaS fornecem esses recursos sob demanda a partir de seus grandes conjuntos de equipamentos instalados nos data centers. Para conectividade em área ampla, os clientes podem usar a Internet ou nuvens de operadora (redes privadas virtuais dedicadas).

Exemplos:

Oracle Cloud

Amazon Web Services 

Google Cloud

Microsoft Azure

IBM Cloud 

PaaSPlataforma as a Service ou plataforma de aplicativo como serviço (aPaaS) é uma categoria de serviços de computação em nuvem que fornece uma plataforma permitindo aos clientes desenvolver, executar e gerenciar aplicativos sem a complexidade de criar e manter uma infraestrutura normalmente associada ao desenvolvimento e lançamento de um aplicativo. 

Existem vários tipos de PaaS, incluindo público, privado e híbrido. O PaaS foi originalmente destinado a aplicativos em serviços de nuvem pública, antes de expandir para incluir opções privadas e híbridas.

Exemplos: 

Google App Engine

Apple Scale

Force.com

Amazon Web Service

GaaS – Game as a Service, podem ser chamados de “jogos vivos” ou “jogos ao vivo”, que contam com atualizações contínuas. A indústria de games lançou a ideia de jogos como serviços oferecendo modelos de assinatura de jogos, o que garante receitas contínuas. Recentemente, a Apple lançou a plataforma Arcade, um plano de assinatura de jogos ilimitados, com acesso a todos os dispositivos IOS. A Google também lançou o seu modelo de games por assinatura, o Stadia, que garante acesso instantâneo e ilimitado a uma coleção de jogos, sem precisar fazer atualizações, downloads ou instalações de jogos. 

Exemplos:

Apple Arcade

Google Stadia

EA Access

Xbox Game Pass

EaaS – Experience as a Service, é entregar experiência como serviço, significa transformar o produto em experiências para o cliente agregando valor a um serviço. Na prática, é feito um conjunto de ações que podem ser exploradas pela marca para estabelecer relações com o cliente. Na Alice Wonders desenvolvemos tecnologias para levar inovação ao varejo, através de experiências. Entenda mais sobre esse segmento em outro post do nosso blog, clique aqui

Vantagens 

  1. Atualizações frequentes capazes de corrigir falhas e vulnerabilidades, assim como agregar inovações tecnológicas para melhorar o sistema;
  2. Segurança de dados por criptografia, o acesso é feito por login e senha e ainda dispõe de fornecedor responsável por backups das informações;
  3. Acesso remoto que proporciona flexibilidade;
  4. Personalização;
  5. Entrega de métricas e indicadores, o que ajuda em avaliações e soluções para equipes;
  6. Custo fixo de plano ou assinatura;
  7. Atende nichos variados.

Além dessas vantagens, o custo de aquisição desses serviços são baixos e ainda proporciona a automatização dos negócios na rotina de trabalho, trazendo maior aproveitamento dos benefícios que o investimento em tecnologia pode trazer para a sua empresa. 

Curtiu? Continue acompanhando nossos posts aqui no blog sobre tecnologia e varejo. Assine abaixo a nossa newsletter e receba as novidades no seu e-mail em primeira mão. 

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba no seu email todas as novidades do nosso blog sobre tecnologia e varejo, além de ficar por dentro do novos projetos Alice Wonders.

Thank you for subscribing.

Something went wrong.

Most Popular Topics

Editor Picks

Send this to a friend