en
A experiência, a relevância e o shopper

A tecnologia e o poder de decisão

Ale Valdivia - 27/06/2017


A tecnologia ao contrário do que se imagina, não separou, mas aproximou e conectou pessoas antes separadas pelo tempo ou pela distância. Antes sem contato, mas agora interagindo e influenciando tomadas de decisões, escolhas de produtos, pela opinião ou compartilhando seu uso. 

O ser humano está descobrindo novas formas de socialização, mais constantes e não menos humanas e passou a exigir das marcas que elas também sejam assim em suas interações. Ser humano é simples e complexo ao mesmo tempo e por isso criar um contato legítimo com um consumidor é difícil. 

O marketing é esse elo entre a marca e a vida real, e os profissionais de marketing não param na constante busca pela conexão perfeita, mas não podem esquecer que o shopper é tão humano quanto ele e que está disposto a pagar por um produto, mas também não cobra para divulgá-lo entre seus amigos. No entanto, por muito tempo os tratamos como apenas “target", em uma troca única de bem por dinheiro, muitas vezes sem nenhum valor gerado para nenhum dos lados, fingindo dar a ele o controle da escolha, mas na verdade pervertendo esse direito com o pretexto do melhor preço, do melhor prêmio, da melhor exposição, elevando o produto com melhor orçamento e diminuindo o "pobrinho". 

Neste novo cenário onde é necessário ser autêntico, o melhor lugar volta a ser a loja física que agora integrada ao mundo online pode agregar valor aos produtos, se tornando relevante através de experiências e de conteúdo de interesse do shopper, do consumidor ou de ambos, fazendo uso da tecnologia para atrair, engajar e converter, onsite ou online.